Pular para o conteúdo principal

1982: Itália põe fim a sonho do Brasil


Ricardo Acampora

Mais uma vez o futebol brasileiro tinha se renovado e a nova geração de excelentes jogadores permitiu que o técnico Telê Santana selecionasse um grupo excepcional para a Copa da Espanha de 82.

O time de Telê não teve dificuldades em se classificar, despachando nas eliminatórias a Venezuela e Bolívia.

Para o Mundial, a Fifa aumentou o número de participantes de 16 para 24, de modo a refletir o crescente número de inscrições e acomodar interesses financeiros e políticos.

A Copa já tinha se tornado um negócio bilionário, atraindo a maior audiência entre os eventos esportivos existentes.

Mais jogos

Com o aumento do número de participantes, na Copa da Espanha foram disputadas 52 partidas, em comparação com as 38 da Copa de 78.

Os 24 países foram dividos em 6 grupos, cabendo ao Brasil encabeçar o grupo 6, ao lado de URSS, Escócia e Nova Zelândia.

O time de Telê contava com o talento de jogadores como Leandro, Júnior, Zico, Sócrates, Falcão e Toninho Cerezo.

No jogo de abertura, a Argentina, campeã mundial, foi derrotada por 1 a 0 pela Bélgica. Esta partida marcou a estréia em Copas do Mundo de Diego Maradona, a grande estrela mundial de sua geração.

No dia seguinte, o Brasil começou a campanha contra a União Soviética. O time jogou mal, com uma defesa insegura, que permitiu que os soviéticos abrissem o placar, com um gol do meio-de-campo Bal, em falha do goleiro Valdir Peres.

No segundo tempo, o Brasil continuou errando muito e o árbitro espanhol, Ausgusto Lamo, deixou de marcar um pênalti em favor dos soviéticos, cometido pelo zagueiro Luisinho, do Atlético Mineiro.

A criatividade dos atacantes brasileiros acabou garantindo a vitória de virada. O empate veio com um belo gol de Sócrates, que, depois de driblar dois adversários, desferiu um potente chute de direita no ângulo do goleiro Dasaev.

O ponta Éder fez o gol da vitória a dois minutos do fim, com outro chute forte, de fora da área.

Escócia

No segundo jogo, contra a Escócia, o Brasil mostrou mais tranqüilidade. Nem o gol dos escoceses, aos 18 minutos de jogo, abalou o time. O Brasil seguiu dominando e os gols foram saindo normalmente.

Primeiro Zico, em cobrança perfeita de falta. Em seguida o zagueiro Oscar fez de cabeça, depois Éder, encobrindo o goleiro escocês Rough. O meia Falcão fechou o placar a três minutos do final. Resultado: 4 a 1 para o Brasil.

No último jogo das oitavas, nova goleada brasileira. Desta vez, o time venceu a Nova Zelândia por quatro a zero, com dois gols de Zico, um de Falcão e outro do centroavante Serginho.

Na próxima fase, o Brasil teria que deixar Sevilha e iria à Barcelona formar o grupo C com a Itália e a Argentina.

Os argentinos, campeões do mundo, pareciam ser os adversários mais perigosos. Os italianos faziam uma péssima campanha, tendo marcado apenas dois gols nos três empates que conseguiram na primeira fase (0 a 0 contra Polônia e um a um contra o Peru e Camarões).

Mas os italianos surpreenderam ao vencer os argentinos por 2 a 1. Contra o Brasil, a Argentina voltou a jogar mal e a seleção brasileira não perdoou, vencendo por 3 a 1, com gols de Zico, Junior e Serginho, com Ramon Diaz descontando.

Os campeões mundiais estavam eliminados e o jovem Diego Maradona perdeu a cabeça atingindo deslealmente o meio-de-campo Batista. Como resultado, foi expulso de campo.

Brasil eliminado

No dia 5 de julho, o Brasil voltava ao campo do pequeno estádio do Sarriá, para decidir a classificação contra a Itália. Para o Brasil, o empate era suficiente.

Mas logo aos 5 minutos de jogo, o centroavante Paolo Rossi abriu o placar para a Itália. O Brasil empataria aos 12 minutos com Sócrates, finalizando um passe de Zico.

Paolo Rossi voltou a marcar aos 25 minutos, aproveitando uma falha de Cerezo numa saída de bola equivocada. Depois de muito batalhar, o Brasil voltou a empatar no segundo tempo com Falcão, dando a impressão de que a classificação estava garantida.

Mas o time de Telê não sabia se defender para segurar um resultado e, instintivamente, continuou atacando, dando chances à Itália. Aos 29 minutos, o artilheiro Rossi marcou o último gol da partida e pôs fim ao sonho de mais um título brasileiro.

O Brasil, eleito pela imprensa internacional especializada como o melhor time da Copa, estava eliminado da Copa de 82.

Semifinais

A Itália seguia para as semifinais, junto com a França, a Alemanha e a Polônia.

Os italianos, empolgados com as vitórias sobre Brasil e Argentina, nem pareciam o mesmo time que começara timidamente o mundial. Com outros dois gols do oportunista Paolo Rossi, a Itália não deu chances aos poloneses. O placar de dois a zero colocava a Itália na final contra a Alemanha.

A outra semifinal entre França e Alemanha acabou sendo considerada a melhor partida daquele mundial.

No lado alemão, craques como o lateral Briegel, o meio-de-campo Paul Breitner e os atacantes Littbarski e Rummenigge, além do excelente goleiro Schumacher.

A França não ficava atrás, com Amoros na lateral direita e o excelente Trésor comandando o miolo da zaga. No meio-de-campo brilhava o talento do baixinho Girese e de Tiganá. No ataque, os ótimos ponteiros Six e Rocheteau eram liderados pelo fabuloso Michel Platini.

Depois de um empate de um a um no tempo normal, o jogo foi levado a uma prorrogação de 30 minutos.

Os franceses fizeram dois gols e cometeram o mesmo erro da seleção brasileira: continuaram atacando, permitindo que os alemães empatassem em 3 a 3.

Pela primeira vez na hisitória das Copas, uma partida teria que ser decidida em cobrança de pênaltis. Prevaleceu a Alemanha que marcou cinco, contra quatro dos franceses.

Final

Alemanha e Itália fizeram a grande final. Os italianos entraram com muita raça e não deram chance aos alemães.

Final do jogo: três para a Itália (gols de Paolo Rossi, Tardelli e Altobelli) e um para a Alemanha (Paul Breitner). A Itália conseguiu, assim, seu tricampeonato, igualando a marca brasileira.

Paolo Rossi, o "carrasco" do Brasil, tornou-se artilheiro da Copa de 82, com seis gols.

Para o Brasil, sobrou o consolo de ter pela primeira vez um juiz apitando uma final de Copa do Mundo, o árbitro Arnaldo César Coelho.

Para muitos, a Copa de 82 marcou o fim da era do chamado futebol arte. A partir daí, prevaleceriam o preparo físico e os rígidos esquemas táticos defensivos, que acabariam por tirar o brilho do espetáculo.

Times como a França de Platini e o Brasil de Zico, Sócrates e Falcão passaram a ser citados para mostrar que no futebol o que conta mesmo é o resultado.

Uma grande curiosidade do mundial da Espanha foi a interferência do xeque do Kuwait, Fahid al-Sabah. Ele invadiu o campo da partida em que a França derrotou o Kuwait por quatro a um, para protestar com o juiz soviético Miroslav Stuper, contra a validação de um gol francês.

Surpreendentemente, o juiz não só permitiu a invasão de campo, como voltou atrás e mudou sua decisão, anulando o gol francês. O árbitro acabou punido pela Fifa.

Seleção brasileira:

Valdir Peres, Paulo Sergio, Carlos, Leandro, Edevaldo, Oscar, Luisinho, Juninho, Edinho, Junior, Pedrinho, Toninho Cerezo, Falcão, Batista, Renato, Paulo Isidoro, Sócrates, Serginho, Roberto Dinamite, Zico, Éder e Dirceu.

Resultados:

Grupo 1:

Itália 0 X 0 Polônia
Peru 0 X 0 Camarões
Itália 1 X 1 Peru
Polônia 0 X 0 Camarões
Polônia 5 X 1 Peru
Itália 1 X 1 Camarões

Grupo 2:

Argélia 2 X 1 Alemanha Ocidental
Áustria 1 X 0 Chile
Alemanha Ocidental 4 X 1 Chile
Áustria 2 X 0 Argélia
Argélia 3 X 2 Chile
Alemanha Ocidental 1 X 0 Áustria

Grupo 3:

Bélgica 1 X 0 Argentina
Hungria 10 X 1 El Salvador
Argentina 4 X 1 Hungria
Bélgica 1 X 0 El Salvador
Bélgica 1 X 1 Hungria
Argentina 2 X 0 El Salvador

Grupo 4:

Inglaterra 3 X 1 França
Tchecoslováquia 1 X 1 Kuwait
Inglaterra 2 X 0 Tchecoslováquia
França 4 X 1 Kuwait
França 1 X1 Tchecoslováquia
Inglaterra 1 X 0 Kuwait

Grupo 5:

Espanha 1 X 1 Honduras
Iugoslávia 0 X 0 Irlanda do Norte
Espanha 2 X 1 Iugoslávia
Honduras 1 X 1 Irlanda do Norte
Iugoslávia 1 X 0 Honduras
Irlanda 1 X 0 Espanha

Grupo 6:

Brasil 2 X 1 URSS
Escócia 5 X 2 Nova Zelândia
Brasil 4 X 1 Escócia
URSS 3 X 0 Nova Zelândia
URSS 2 X 2 Escócia
Brasil 4 X 0 Nova Zelândia

Segunda fase

Grupo A:

Polônia 3 X 0 Bélgica
URSS 1 X 0 Bélgica
Polônia 0 X 0 URSS

Grupo B:

Alemanha Ocidental 0 X 0 Inglaterra
Alemanha Ocidental 2 X 1 Espanha
Espanha 0 X 0 Inglaterra

Grupo C:

Itália 2 X 1 Argentina
Brasil 3 X 1 Argentina
Itália 3 X 2 Brasil (O Brasil jogava pelo Empate )

Grupo D:

França 1 X 0 Áustria
Áustria 2 X 2 Irlanda do Norte
França 4 X 1 Irlanda do Norte

Semifinais:

Itália 2 X 0 Polônia
Alemanha Ocidental 3 X 3 França
(Alemanha Ocidental venceu por 5 X 4 nos pênaltis)

Disputa pelo terceiro lugar:

Polônia 3 X 2 França

Final:

Itália 3 X 1 Alemanha Ocidental

http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2002/020326_copa82.shtml

Postagens mais visitadas deste blog

Canções para TFM

DEMÔNIOS CAMUFLADOS DEMÔNIOS CAMUFLADOS VÃO SAIR DA ESCURIDÃO,
SENTINELA ENSANGUENTADO VAI ROLANDO PELO CHÃO,
E PERGUNTEM DE ONDE VENHO, VENHO DA ESCURIDÃO,
TRAGO A MORTE, O DESESPERO E A TOTAL DESTRUIÇÃO.
ARMADILHAS CAMUFLADAS, ACIONADORES DE TRAÇÃO,
QUEM VIER ATRAS DE MIM SÓ VAI OUVIR A EXPLOSÃO(CABUM)
SANGUE FRIO EM MINHAS VEIAS CONGELOU MEU CORAÇÃO
NÓS GOSTAMOS DE EXPLOSIVOS NOSSO LEMA É VIBRAÇÃO.
QUEM ÉS TU? QUEM ÉS TU?
QUE DESCE DO CÉU!
COM ASAS DE PRATA POR SOBE O BRASIL!
GUERREIRO ALADO, QUE NÃO SENTE DOR!
PARAQUEDISTA, COMANF, MERGULHADOR!
A SUA MISSÃO É DESTRUIR
A TROPA INIMIGA QUE TENTA INVADIR

CORRIDINHA MIXURUCA CORRIDINHA MIXURUCA,
QUE NÃO DÁ NEM PARA CANÇAR.
NESSE PASSO, NESSE PASSO,
VOLTA AO MUNDO EU VOU DAR.
NESSE PASSO, NESSE PASSO
TODOS JUNTOS VÃO CHEGAR.
E SE ALGUÉM NÃO AGUENTAR,
EU VOU TER QUE ARRASTAR.
E SE O ARRASTO ME MATAR, PODES CRER TU VAI FICA
VAI FICAR NA MÃO DE OUTRO – ATÉ EU ME RECUPERAR.
POIS NESSE PASSO, NESSE PASSO,
MESMO MORTO VOU TE BUSCAR.




SALTITANDO, SALTI…

Canções Militares para o TFM.

Essas canções são usadas durante o Treinamento Físico Militar nas Forças Armadas, das Polícias Militares e Corpos de Bombeiros Militares.
Demônios Camuflados Demônios camuflados vão sair da escuridão,
sentinela ensanguentado vai rolando pelo chão,
e perguntem de onde venho, venho da escuridão,
trago a morte, o desespero e a total destruição.
Armadilhas camufladas, acionadores de tração,
Quem vier atras de mim só vai ouvir a explosão(Cabum)
Sangue frio em minhas veias congelou meu coração
Nós gostamos de explosivos nosso lema é vibração.
Quem és Tu? Quem és tu?
Que desce do céu!
Com asas de prata por sobe o Brasil!
Guerreiro alado, que não sente dor!
Paraquedista, Comanf, Mergulhador!
A sua missão é destruir
A tropa inimiga que tenta invadir

Corridinha Mixuruca Corridinha mixuruca,
que não dá nem para cançar.
Nesse passo, nesse passo,
Volta ao mundo eu vou dar.
Nesse passo, nesse passo
Todos juntos vão chegar.
E se alguém não aguentar,
Eu vou ter que arrastar.
E se o arrasto me matar, podes c…

Termodinâmica

Termodinâmica