Pular para o conteúdo principal

A intentona potiguar

A intentona potiguar - Equipe Brasil Escola

Luis Carlos Prestes e a Intentona: as tensões e agentes políticos presentes na década de 1930.



No ano de 1935, os críticos do governo de Getúlio Vargas se movimentavam contra as ações do presidente da República. Entre instituições oficias e partidos, a reivindicação por mudanças colocavam em questão o tal caráter revolucionário do regime instalado no início da década. Em meio a essas tensões, destacamos as ações que marcaram o levante que movimentou a cidade de Natal e marcou um dos mais importantes conflitos da Intentona Comunista.

No dia 23 de novembro de 1935, uma ordem militar autorizava a expulsão de um grupo de soldados do 21° Batalhão de Caçadores, supostamente envolvidos com a organização de assaltos a bondes. Ao saber do desligamento desses militares, alguns membros desse mesmo batalhão decidiram realizar uma reunião com membros do Partido Comunista Brasileiro. Mediante tal situação, decidiram promover a invasão do quartel e organizar os revoltosos que tomariam vários pontos da cidade.

Assumindo o poder local, os revoltosos anunciaram publicamente as quedas do governo estadual e do Poder Legislativo. Em resposta, aqueles que presenciaram o anúncio bradam a favor do novo poder revolucionário. Apesar das manifestações de apoio, muito mais deveria ser feito para que a rebelião composta por militares, comunistas e civis seguisse adiante. Por isso, vários grupos foram organizados no sentido de sustentar a nova ordem e tomar o poder em outras cidades do interior.

Enquanto tais movimentações prosseguiam, a revolta comunista se preocupou em revelar suas intenções à população com a publicação do jornal “A liberdade”. Entre outros pontos, defendiam a reforma agrária, a industrialização, a nacionalização dos bancos, a ampliação do acesso à educação e cultura e a expulsão dos representantes do imperialismo capitalista. Anunciando essa vitória, os nomes da Aliança Nacional Libertadora e de Luis Carlos Prestes ganhavam as ruas da capital potiguar.

Em meio às lutas e demandas, os revolucionários souberam do envio de tropas realizado com o objetivo de retomar o controle da situação local. Para piorar as coisas, a coluna de combatentes destinada a tomar a região de Caicó foi derrotada pelas tropas do fazendeiro Dinarte Mariz, que também rumava para a capital. Não se sentido aptos para resistir, decidiram fugir. No entanto, acabaram capturados pelos representantes do poder oficial.

A vitória dos contra-revolucionários acabou restabelecendo a ordem política no Rio Grande do Norte. Entre outras medidas, o governo indiciou cerca de cem mil pessoas suspeitas de participar do movimento. No entanto, seria apenas a insatisfação dos militares de Natal a razão única para a ocorrência de um movimento de tamanhas proporções? Certamente que não. Sendo uma conseqüência do período, o levante potiguar nasceu em torno de interesses diversos.

Mesmo antes de 1935, o Rio Grande do Norte já se mostrava um palco de tensões políticas agitadas desde a Revolução de 1930. A entrada do novo grupo político favorável a Getúlio Vargas vivenciou vários conflitos contra os representantes políticos das oligarquias locais. Enquanto isso, os membros do PCB e líderes sindicais organizavam diversas manifestações que demonstrariam o frágil cenário político da época.

Primeiramente, os líderes do PCB não apoiaram o desejo dos militares em se voltar contra o governo naquela data. Mesmo que o interesse em derrubar o governo Getúlio Vargas contasse com o apoio expresso da Internacional Comunista, os dirigentes locais acreditavam que o momento não seria o mais oportuno. Não por acaso, a fragilidade do movimento – que ainda tentou se estender para outras cidades do país – serviu para as vindouras ações autoritárias de Getúlio Vargas.


Por Rainer Sousa
Graduado em História
Equipe Brasil Escola








Postagens mais visitadas deste blog

Canções para TFM

DEMÔNIOS CAMUFLADOS DEMÔNIOS CAMUFLADOS VÃO SAIR DA ESCURIDÃO,
SENTINELA ENSANGUENTADO VAI ROLANDO PELO CHÃO,
E PERGUNTEM DE ONDE VENHO, VENHO DA ESCURIDÃO,
TRAGO A MORTE, O DESESPERO E A TOTAL DESTRUIÇÃO.
ARMADILHAS CAMUFLADAS, ACIONADORES DE TRAÇÃO,
QUEM VIER ATRAS DE MIM SÓ VAI OUVIR A EXPLOSÃO(CABUM)
SANGUE FRIO EM MINHAS VEIAS CONGELOU MEU CORAÇÃO
NÓS GOSTAMOS DE EXPLOSIVOS NOSSO LEMA É VIBRAÇÃO.
QUEM ÉS TU? QUEM ÉS TU?
QUE DESCE DO CÉU!
COM ASAS DE PRATA POR SOBE O BRASIL!
GUERREIRO ALADO, QUE NÃO SENTE DOR!
PARAQUEDISTA, COMANF, MERGULHADOR!
A SUA MISSÃO É DESTRUIR
A TROPA INIMIGA QUE TENTA INVADIR

CORRIDINHA MIXURUCA CORRIDINHA MIXURUCA,
QUE NÃO DÁ NEM PARA CANÇAR.
NESSE PASSO, NESSE PASSO,
VOLTA AO MUNDO EU VOU DAR.
NESSE PASSO, NESSE PASSO
TODOS JUNTOS VÃO CHEGAR.
E SE ALGUÉM NÃO AGUENTAR,
EU VOU TER QUE ARRASTAR.
E SE O ARRASTO ME MATAR, PODES CRER TU VAI FICA
VAI FICAR NA MÃO DE OUTRO – ATÉ EU ME RECUPERAR.
POIS NESSE PASSO, NESSE PASSO,
MESMO MORTO VOU TE BUSCAR.




SALTITANDO, SALTI…

Canções Militares para o TFM.

Essas canções são usadas durante o Treinamento Físico Militar nas Forças Armadas, das Polícias Militares e Corpos de Bombeiros Militares.
Demônios Camuflados Demônios camuflados vão sair da escuridão,
sentinela ensanguentado vai rolando pelo chão,
e perguntem de onde venho, venho da escuridão,
trago a morte, o desespero e a total destruição.
Armadilhas camufladas, acionadores de tração,
Quem vier atras de mim só vai ouvir a explosão(Cabum)
Sangue frio em minhas veias congelou meu coração
Nós gostamos de explosivos nosso lema é vibração.
Quem és Tu? Quem és tu?
Que desce do céu!
Com asas de prata por sobe o Brasil!
Guerreiro alado, que não sente dor!
Paraquedista, Comanf, Mergulhador!
A sua missão é destruir
A tropa inimiga que tenta invadir

Corridinha Mixuruca Corridinha mixuruca,
que não dá nem para cançar.
Nesse passo, nesse passo,
Volta ao mundo eu vou dar.
Nesse passo, nesse passo
Todos juntos vão chegar.
E se alguém não aguentar,
Eu vou ter que arrastar.
E se o arrasto me matar, podes c…

Termodinâmica

Termodinâmica