Pular para o conteúdo principal

ENEM - República Oligárquica

República Oligárquica


República Oligárquica 
Os grandes proprietários de terra dominaram a cena política dessa época.

No ano de 1894, a disputa sucessória pelo cargo presidencial aconteceu sob diversas pressões políticas. Por um lado, alguns militares esperavam estender a presença da instituição nos quadros de poder. Por outro, os membros das oligarquias agrárias se organizavam no intuito de assumir as instituições políticas de forma direta. Ao fim das eleições, Prudente de Morais, candidato do Partido Republicano Paulista, acabou vencendo a disputa e assim inaugurando a chamada República Oligárquica.

Do ponto de vista formal, o desenvolvimento de uma “república oligárquica” está cercado por uma curiosa contradição. Afinal de contas, como um regime marcado pela distribuição dos poderes e mecanismos de representação poderia conviver com o controle político de uma minoria? Para responder a questão devemos analisar bem as características gerais que traçaram o nascimento de nossa república.

Em um primeiro aspecto, observamos que a exigência da alfabetização e o voto aberto foram dois elementos que facilitaram em muito a fraude eleitoral nessa época. Com isso, os grandes proprietários de terra tinham condições para determinar o resultado final das eleições. Não raro, observamos que as elites agrícolas garantiam a eleição de seus aliados por meio de ameaças, a concessão de favores políticos ou a própria alteração do resultado de nossas eleições.

Além disso, observamos que o modelo político oligárquico foi extremamente negligente no que se refere ao desenvolvimento de políticas sociais. Do ponto de vista de seus representantes, a expansão da economia agroexportadora era mais importante que a resolução dos problemas sociais que atingiam boa parte da população. Sendo assim, vemos que a experiência oligárquica foi importante no aprofundamento das diferenças sociais no Brasil.

Por fim, o tempo das oligarquias também esteve marcado por uma série de revoltas que colocavam em questão a grave situação econômica do país. Em diferentes pontos da nação, observamos o desenvolvimento de levantes que protestavam contra a falta de assistência do poder público. Como exemplo, podemos ver no cangaço nordestino uma forma de se negar o poder exercido pelas autoridades da época. 

A República Oligárquica só perdeu a sua força com o desenvolvimento dos centros urbanos no Brasil. Paulatinamente, novos grupos sociais reivindicavam a transformação e a moralização das instituições políticas. Nesse contexto, a eclosão da Revolução de 1930 apontou que a hegemonia política da nação se deslocava do meio rural para o urbano.


Artigos De "República Oligárquica"

Postagens mais visitadas deste blog

Canções para TFM

DEMÔNIOS CAMUFLADOS DEMÔNIOS CAMUFLADOS VÃO SAIR DA ESCURIDÃO,
SENTINELA ENSANGUENTADO VAI ROLANDO PELO CHÃO,
E PERGUNTEM DE ONDE VENHO, VENHO DA ESCURIDÃO,
TRAGO A MORTE, O DESESPERO E A TOTAL DESTRUIÇÃO.
ARMADILHAS CAMUFLADAS, ACIONADORES DE TRAÇÃO,
QUEM VIER ATRAS DE MIM SÓ VAI OUVIR A EXPLOSÃO(CABUM)
SANGUE FRIO EM MINHAS VEIAS CONGELOU MEU CORAÇÃO
NÓS GOSTAMOS DE EXPLOSIVOS NOSSO LEMA É VIBRAÇÃO.
QUEM ÉS TU? QUEM ÉS TU?
QUE DESCE DO CÉU!
COM ASAS DE PRATA POR SOBE O BRASIL!
GUERREIRO ALADO, QUE NÃO SENTE DOR!
PARAQUEDISTA, COMANF, MERGULHADOR!
A SUA MISSÃO É DESTRUIR
A TROPA INIMIGA QUE TENTA INVADIR

CORRIDINHA MIXURUCA CORRIDINHA MIXURUCA,
QUE NÃO DÁ NEM PARA CANÇAR.
NESSE PASSO, NESSE PASSO,
VOLTA AO MUNDO EU VOU DAR.
NESSE PASSO, NESSE PASSO
TODOS JUNTOS VÃO CHEGAR.
E SE ALGUÉM NÃO AGUENTAR,
EU VOU TER QUE ARRASTAR.
E SE O ARRASTO ME MATAR, PODES CRER TU VAI FICA
VAI FICAR NA MÃO DE OUTRO – ATÉ EU ME RECUPERAR.
POIS NESSE PASSO, NESSE PASSO,
MESMO MORTO VOU TE BUSCAR.




SALTITANDO, SALTI…

Canções Militares para o TFM.

Essas canções são usadas durante o Treinamento Físico Militar nas Forças Armadas, das Polícias Militares e Corpos de Bombeiros Militares.
Demônios Camuflados Demônios camuflados vão sair da escuridão,
sentinela ensanguentado vai rolando pelo chão,
e perguntem de onde venho, venho da escuridão,
trago a morte, o desespero e a total destruição.
Armadilhas camufladas, acionadores de tração,
Quem vier atras de mim só vai ouvir a explosão(Cabum)
Sangue frio em minhas veias congelou meu coração
Nós gostamos de explosivos nosso lema é vibração.
Quem és Tu? Quem és tu?
Que desce do céu!
Com asas de prata por sobe o Brasil!
Guerreiro alado, que não sente dor!
Paraquedista, Comanf, Mergulhador!
A sua missão é destruir
A tropa inimiga que tenta invadir

Corridinha Mixuruca Corridinha mixuruca,
que não dá nem para cançar.
Nesse passo, nesse passo,
Volta ao mundo eu vou dar.
Nesse passo, nesse passo
Todos juntos vão chegar.
E se alguém não aguentar,
Eu vou ter que arrastar.
E se o arrasto me matar, podes c…

Termodinâmica

Termodinâmica