Pular para o conteúdo principal

Coletes Balísticos

Ostensivo(Níveis I, IIA, II, IIIA)


Oferecem proteção frontal, dorsal e lateral. Seus painéis balísticos são sobrepostos, recobertos por uma capa interna confeccionada em nylon©, evitando assim a umidade. Os materiais utilizados distribuem o impacto dos projéteis por uma área mais ampla, diminuindo as deformações do colete quando atingido. As capas externas possuem tiras ajustáveis em velcro, que proporcionam maior conforto. Todas as capas externas são e devem ser confeccionadas com materiais laváveis, permitindo ainda a aplicação de desenhos especiais e o acréscimo de bolsos externos para a colocação de placas redutoras de impacto, mediante consulta.
Nivel I
Aramida22MM / 38PolietilenoAramida / Polietileno
Materiais dos coletes
GOLDFLEX – 228G/M²KEVLAR – 280G/M²
SPECTRA SHIELD LCR – 150G/M²TWARON – 280G/M²
Níveis II-A
Aramida9MM / Magnum 357PolietilenoAramida / Polietileno
Materiais dos coletes
DYNEEMA UD-SB²¹ - 155G/M²GOLDFLEX – 228G/M²
SPECTRA SHIELD LCR – 150G/M²TWARON – 280G/M²
Níveis II
AramidaPolietilenoAramida / PolietilenoHíbrido
Materiais dos coletes
ARAMIDA S704 + ANTI-TRAUMA ASA 230 LAMINADO 330G/M² + KEVLAR AS² 390
  • Fibra de Aramida

As fibras aramidas, comumente conhecidas como Kevlar®, são fiadas a partir de nylons aromáticos. Altas propriedades mecânicas são obtidas devido ao alinhamento da cadeia do polímero com o eixo das fibras e da rigidez dos núcleos aromáticos. É uma fibra derivada do nylon e possui a tonalidade amarela.
Devido à baixa densidade, o grande atrativo das aramidas fica por conta das altas propriedades específicas (módulo e resistência divididos pelo peso específico), sendo cinco vezes mais resistentes que o aço. Também pela sua alta resistência ao impacto são utilizadas principalmente em balística e segurança pessoal.
Fornecemos tecidos híbridos de fibra de vidro com fibra de aramida:
- Aramat®
- Araverre®


In http://www.diprofiber.com.br/diprofiber-produto-13-10-fibra_de_aramida
DYNEEMA UD-SB21 + ANTI-TRAUMA KEVLAR
DYNEEMA UD-SB21 – 155G/M²
Dyneema® é a baseado sobre UHMWPE, 15 vezes mais forte do que o aço e três vezes mais forte do que . É usado geralmente dentro , , equipamento escalando e desempenho elevado dentro . Dyneema® foi inventado perto DSM em . Estêve na produção comercial desde em uma planta dentro , . No , DSM tem um acordo da cooperação com Toyobo Co. para a produção comercial dentro . No , DSM concedeu uma licença a . Spectra é o brandname do produto quimicamente idêntico desenvolvido independentemente por Aliado Sinal (agora ) nos EUA. Embora os detalhes da produção serão indubitàvelmente diferentes, o resultado é comparável a Dyneema. Neste artigo, nós consultaremos a Dyneema e a spectra como Dyneema. Dyneema® é uma marca registrada registada de DSM real N.V. (Os Países Baixos).

As fibras de Dyneema derivam sua força do comprimento extremo de cada molécula individual. A fibra pode alcançar uma orientação paralela mais extremamente de 95% e um nível de crystallinity de até 85%. No contraste, deriva sua força da ligação forte entre moléculas relativamente curtas.
Seu é ao redor 144 ou 152 graus , e de acordo com DSM, não é aconselhável usar Dyneema nas temperaturas que excedem o °C 80 a 100 por períodos de tempo longos. Torna-se frágil em temperaturas abaixo do °C?150. Isto contrasta fortemente com outras fibras high-performance, que tendem a ser completamente resistentes ao calor.
As fibras sentem slippery, similar a e outro . A maioria de povos não gostam da maneira que Dyneema sente; para esta razão, não é usado frequentemente na tela. O slipperiness faz também tais fibras mais menos apropriadas para o uso dentro plásticos reforçados fibra.
Um outro problema, em algumas aplicações, é que Dyneema , significá-lo deformar-se-á quando colocado sob todo o stress. Como outro , é muito resistente à água, à umidade, a a maioria dos produtos químicos, à radiação UV, e aos micro-organisms.
Para fazer fibras de Dyneema, uma solução de UHMWPE é extraído nas fibras enquanto o solvente evapora, fazendo com que as correntes do polímero orientem no sentido da fibra.
Para armor de corpo, as fibras geralmente são alinhadas e ligadas nas folhas, que são mergulhadas então em vários ângulos para dar resultarem todos os sentidos.
excell dos spectra e do Dyneema como porque têm menos estiramento, é mais abrasão resistente, e seja mais fino do que tradicional linha do monofilamento.
Em determinados artigos dos anos recentes de começou empregar o dyneema. No detalhe "estilingues", laços sewn do material que podem ser envolvidos em torno das seções da rocha, engatado (amarrado) a outras partes de equipamento ou amarradas mesmo diretamente a uma linha tensionada usando um especial prussik o nó, beneficiou-se deste material. Limitou aplicações entretanto porque estes artigos não é dinâmico (não o estiramento) e conseqüentemente uma queda nelas envolve o carregamento de choque considerável das outras partes de equipamento e do corpo do climber. São entretanto muito mais claros e mais finos do que as alternativas () e conseqüentemente muito popular. Vendido geralmente nos comprimentos de 10 cm, de 30 cm, de 60 cm, de 120 cm ou de 400 cm em larguras de 10 milímetros ou de 12 milímetros, estes estilingues têm uma tensão quebrando de ao redor 22 kN.
Cordas high-performance para e é feito de Dyneema também.
Adições recentemente desenvolvidas às forças armadas dos E. U. , projetados oferecer a proteção do braço e do pé, são ditos utilizar um formulário da tela de Dyneema.
É usado também nos snowboards, frequentemente em combinação com , , que adiciona a rigidez e que melhora suas características do cabo flexível.

GOLDFLEX + ARAMIDA + DYNEEMA
GOLDFLEX + SPECTRAFLEX
®GoldFlex © é um tecido fabricado pela Honeywell a partir de fibra sintética e, muitas vezes usado em coletes balísticos e armaduras. GoldFlex é mais leve do que Kevlar, Twaron e outro material balístico, ainda oferece a maior proteção à prova de bala. O material usado é muito flexível e forte, bem como que proporciona conforto para a pessoa que utiliza o e também é tolerada por períodos mais longos de tempo. Gold Flex é um tecido laminado constituído de fibras cruzou-estabelecidas. Quando um objeto atinge este material uma "teia" de seus clusters absorver o impacto de uma boa porcentagem e minimiza a penetração. Uma vez que esta é uma criação à base de fibras, todas as fibras na GoldFlex trabalha em conjunto com o material de colete ou para parar o impacto.


GoldFlex dá grande resistência à abrasão e resiste a solventes orgânicos tornando-se não condutor, de baixo inflamável, e uma grande tela que tem uma incrível resistência a temperaturas elevadas. Seu ponto de degradação começa a partir de 500 ° C e não tem ponto de fusão. É sensível a sais, ácidos e radiação ultravioleta. Quando se trata da formação de estática no corpo é propenso a ele também [1]. Protecção baseia-se também a pressão do impacto. Alguns desses tecidos são projetados somente com mão-armas em mente, basicamente, fazer qualquer coisa com um calibre maior potencial ameaça. Não se pode usar um GoldFlex e esperar uma grande rodada calibre (.50 BMG rodada EG) a ser impedidos de penetrar. Também GoldFlex não é o único material que é responsável para minimizar a penetração e absorção do ataque. Juntamente com GoldFlex existem outras camadas na parte superior deste tecido para garantir que o objecto não penetra através do material.

Quando uma bala atinge a armadura, ela atinge fibra balístico que é forte o suficiente para não deixá-lo passar. Esta fibra ajuda a absorver e dispersar o impacto que tem sido feito pela bala à armadura. Este processo continua e cada camada desse material é realizada até que a bala atingiu a um ponto final. Todas as camadas combinadas em conjunto, formam uma área maior do impacto para dispersar e manter a bala de penetração do transportador. Isto ajuda a reduzir o risco de traumatismo, também conhecido como lesões de órgãos internos.

Kevlar é cinco vezes mais forte do que o aço de peso equivalente. Foi inventado por um químico polonês-americano Stephanie Kwolek e introduzido na década de 1970. É utilizado para armaduras e pneus de corrida, mas é mais caro do que o ouro Flex. Twaron é outra alternativa para a Gold Flex, mas não é muito procurada. Ocasionalmente vários materiais são utilizados em um produto.















GOLDFLEX 15 CAM. + ANTI-TRAUMA KEVLAR
GOLDFLEX DYNEEMAGOLDFLEX – 228G/M²
KEVLAR NFT 120 + KEVLAR NFT 200 + FELTRO NFT 200KEVLAR STYLE 720 – 257G/M²
KEVLAR – 280G/M²SPECTRA SHIELD LCR – 150G/M²
TWARON LFT – SB¹ + TWARON CT 709TWARON T-709 – 200G/M²
TWARON – 280G/M²
Níveis III-A
AramidaHíbridosPolietilenoAramida / Polietileno
Materiais dos coletes
19 NFT + 13 + 1 FELTRO + 1NFT + 1AS2 (MOD. M/NFT)ARAMIDA KEVLAR ASA 280 HR
DYNEEMA UD-SB21 – 155G/M²GOLDFLEX + SPECTRAFLEX
GOLDFLEX – 228G/M²KEVLAR STYLE 720 – K-129 – 257G/M² (MOD. T-STY)
KEVLAR – 280G/M²SPECTRA SHIELD LCR – 150G/M²
SPECTRAFLEX – 150G/M²TWARON LFT – SB1
TWARON T-709 – 200G/M²TWARON – 280G/M²


http://www.taurusblin.com.br/?on=produtos&in=detalhes&produto_id=1



Especial Armas de Fogo – O Colete Balístico


Depois de algum tempo de férias, reiniciamos a aclamada série de posts do nosso Especial Armas de Fogo, que publicamos toda terça-feira, como sabem os fiéis leitores do Abordagem Policial. Hoje vamos falar dum equipamento fundamental e indispensável para a atividade policial, e que guarda direta relação com o tema “armas de fogo”. Por quê? Ora, onde há a necessidade do uso de armas de fogo, certamente haverá a necessidade de equipamentos de proteção individual que livrem o policial de ser atingido por qualquer oponente.
É aí que entra o principal equipamento de proteção quando nos referimos a embates com uso de arma de fogo: o colete a prova de balas, ou colete balístico. Quem gosta de filmes épicos certamente já viu as armaduras dos cavaleiros medievais, que tinham àquela época a mesma intenção que os atuais coletes: defender os guerreiros dos ataques armados dos inimigos. A diferença é que na Idade Média a espada e as lanças eram os instrumentos de ataque, enquanto hoje nos referimos a revólveres, pistolas, fuzis etc.
Sofisticação nas armas, sofisticação nas armaduras. Os coletes atuais se baseiam em princípios físicos interessantes, e são feitos de materiais bem mais inusitados e diferentes do que o simples metal de outrora. É preciso dizer que existem muitos materiais utilizados na fabricação de coletes, que vão da cerâmica (não aquela dos azulejos e pisos, naturalmente) e alumínio até fibras como o Kevlar. Como é impossível estudar todos os materiais utilizados na fabricação dos inúmeros tipos de coletes existentes, vamos nos ater a dois princípios que considero básicos na função que o colete a prova de balas exerce ao entrar em contato com o projétil, aos quais vou denominar “Princípio da Bola de Futebol” e “Princípio do Carro de Fórmula 1″:

Princípio da Bola de Futebol

Por que usar fibras num colete a prova de balas? Imagine uma bola de futebol indo em direção à rede da trave. A rede, aqui, representa nossa fibra, a bola, o projétil que foi disparado. Assim que a bola (projétil) entra em contato com a rede, a energia contida no movimento da bola é transferida para a rede. Percebam que isso não é feito de maneira muito localizada, já que quase todas as linhas da rede recebem parte da energia (por isso se movimentam).
A fibra de um colete exerce essa mesma função: absorve a energia contida no projétil e dispersa para toda a sua área. Caso isso não ocorresse, o impacto localizado se efetivaria, e a lesão no indivíduo seria inevitável (mesmo sem perfuração). É esse poder de dispersão que faz um colete eficiente. Apesar de haver substancial diferença na densidade das fibras de um colete em comparação com uma rede de futebol, o princípio utilizado é o mesmo.

Princípio do Carro de Fórmula 1

A aerodinâmica de um carro de Fórmula 1 é algo fenomenal. Cada estrutura do automóvel é milimetricamente projetada para seu objetivo: atingir centenas de quilômetros por hora de velocidade. O que ocorreria se substituíssemos a chaparia de um carro de Fórmula 1 pela chaparia de um fusca, mesmo mantendo seu motor? Certamente, a velocidade alcançada seria bem menor, mesmo que ignorássemos o peso das duas chaparias. Se os projéteis das armas de fogo fossem dispostos nos cartuchos de maneira inversa ao convencional (com a parte “fina” para dentro do estojo), certamente obteríamos um efeito análogo no que se refere ao seu poder de perfuração.
Os coletes a prova de balas fazem justamente isso: deformam os projéteis para que eles se tornem “fuscas”, mesmo que seus motores (armas de fogo) sejam os melhores possíveis. Quanto mais deformado estiver o projétil, menos perfurante ele ficará, e mais fácil sua energia se dissipará na estrutura do colete.
Para começarmos a compreender o funcionamento dos painéis balísticos, imagine diversas varas de madeira. Com seu punho você poderá quebrá-las uma de cada vez. Se forem amarradas juntas em um pacote, nenhuma ou apenas as primeiras sofrerão algum tipo de dano enquanto que as demais permanecerão intactas. Parar o projétil é somente parte do problema. Os painéis não possuem elasticidade considerável, e, dessa forma, são dispostos em camadas com o objetivo de romper-se ao impacto do projétil, envolvendo-o, e com isso absorvendo gradativamente sua energia, ao mesmo tempo em que esta mesma energia é transferida aos demais painéis e ao corpo. Este impacto no corpo é chamado de "trauma fechado" e deve ser mantido em um nível tal que dele não decorra nenhum ferimento considerável para o usuário do colete. Compreendendo isto, nós podemos compreender algumas outras propriedades dos coletes..Considerando a mesma energia total, um projétil de pequeno calibre mas com alta velocidade penetrará os painéis mais profundamente do que um projétil maior e de menor velocidade. Um .357 Magnum disparado de um revólver é consequentemente mais fácil de parar do que um .22 Magnum disparado de um fuzil. Além disso, os projéteis constituídos de material mais resistente não deformam no impacto e não penetram tanto mais que projéteis de ponta macia (soft point). (http://prf2005.4t.com/colete.htm)

* * *
Unindo o Princípio da Bola de Futebol com o Princípio do Carro de Fórmula 1, fica fácil entender basicamente como funcionam os coletes a prova de bala. Porém, nem tudo é tão fácil assim… Cada colete tem uma capacidade máxima de resistência à ação dos projéteis. A depender do material que o compõe e de como estão dispostos, os coletes resistirão mais ou menos às diversas munições e armas utilizadas. Para deixar isso claro, existe uma classificação do Ministério da Defesa, onde são regulamentados os coletes de acordo com a energia (em joules) que suporta:
É importante frisar que apenas militares, policiais e empresas de segurança particular podem ter autorização para adquirir coletes balísticos no Brasil – ou mesmo membros do Ministério Público e do Judiciário que justifiquem seu uso. É um debate interessante a extensão do direito a todos os cidadãos, algo que me oponho momentaneamente, pelo menos enquanto durar o poder bélico e financeiro do Tráfico de Drogas no Brasil, e a direta possibilidade do contrabando mais fácil desse material.
Aos policiais, é injustificável o não uso do colete, em qualquer ocasião do serviço. É um absurdo sem tamanho a existência de unidades policiais que não dotam seus profissionais do equipamento, justificando inclusive a recusa ao serviço por parte desses homens. Não são raras as vezes em que o colete balístico se mostrou mais importante que a própria arma de fogo. Que os policiais e os governantes nunca se esqueçam disso.
Especial Armas de Fogo
O Especial Armas de Fogo é uma série de posts publicados sempre nas terças-feiras, tratando do mundo das armas de fogo e do tiro policial. Caso você tenha sugestões, mande um email para abordagempolicial@gmail.com


http://abordagempolicial.com/2010/02/especial-armas-de-fogo-o-colete-balistico/#.U86n0vn0DEE


Russos criam “tecido de ouro” para coletes balísticos

A foto acima é meramente ilustrativa e não representa nenhum colete desenvolvido a partir das fibras AuTx 


Os russos exibiram durante a MILIPOL-2011 – uma feira de segurança e tecnologia – o filamento sintético AuTx, também chamado de “tecido de ouro”. Este novo material desenvolvido por especialistas russos, pode ser utilizado na produção de coletes balísticos muitos mais resistentes e menos pesados que os coletes feitos de kevlar©.

O filamento AuTx é uma nova geração de materiais que já é usado com sucesso na indústria aeroespacial russa e pertence as fibras sintéticas do tipi “aramida”, feitas com kevlar e twaron, poliamidas de uso frequente nos coletes balísticos e nos pneus resistentes a furos.

Ao contrário dos demais, o AuTx tem o dobro da resistência dinâmica. Os coletes balísticos que são feitos com ele pesam duas vezes menos que os coletes feitos com outros materiais de aramida. Ademais, também é mais resistente ao fogo e pode ser utilizado para a confecção de trajes para os bombeiros.

Segundo os dados técnicos, o “tecido de outro” é mais duradouro e inclusive aumenta a sua durabilidade com ao longo do tempo. 

Se já não fosse pouco, para fabricar as fibras AuTx, elas são tratadas com um reagente especial que permite conservar suas propriedades inclusive ao contato com água, oléos ou outros fluídos hidráulicos. 

Em comparação, o kevlar que atualmente é o mais usado na concepção de trajes balísticos, perde sua durabilidade devido ao luz solar ou entrar em contato com a água, enquanto sua exposição a altas temperaturas acelera o envelhecimento do material.

Os coletes balísticos modernos na maioria dos caos protegem o soldado, más, todavia têm numerosas imperfeições.  O mais importante é o peso dos coletes, que sobe proporcionalmente a proteção buscada, ou seja, para aumentar a proteção é necessário utilizar as fibras placas de cerâmica, aços leves ou titânio. Outra desvantagem é a comunidade. É quase impossível correr com colete que pesa 15 kg ou mais. Agregue isso o armamento, os equipamentos de comunicação e o capacete.

Por isso, em todo mundo é realizado diversas pesquisas para aperfeiçoar os coletes balísticos, na Rússia não é diferente. A Rússia encoraja o desenvolvimento de materiais especiais e realiza pesquisas com vários líquidos e colas que permitam os tecidos serem mais resistentes das fibras já conhecidos.

Em 2007, a Rússia apresentou pela primeira vez a chamada “armadura líquida” ou sacos contendo um gel de nanopartículas sólidas e líquidos preenchidas. Um duro golpe, um projétil ou fragmento de um míssil instantaneamente fixa as substâncias líquidas entre si e o gel se converte em um forte material composto que impede a penetração. Espera-se que esta “armadura líquida” seja utilizada para aumentar a proteção de veículos terrestres e aeronaves, contra destintos impactos de caráter mecânico. 


Postagens mais visitadas deste blog

Canções para TFM

DEMÔNIOS CAMUFLADOS DEMÔNIOS CAMUFLADOS VÃO SAIR DA ESCURIDÃO,
SENTINELA ENSANGUENTADO VAI ROLANDO PELO CHÃO,
E PERGUNTEM DE ONDE VENHO, VENHO DA ESCURIDÃO,
TRAGO A MORTE, O DESESPERO E A TOTAL DESTRUIÇÃO.
ARMADILHAS CAMUFLADAS, ACIONADORES DE TRAÇÃO,
QUEM VIER ATRAS DE MIM SÓ VAI OUVIR A EXPLOSÃO(CABUM)
SANGUE FRIO EM MINHAS VEIAS CONGELOU MEU CORAÇÃO
NÓS GOSTAMOS DE EXPLOSIVOS NOSSO LEMA É VIBRAÇÃO.
QUEM ÉS TU? QUEM ÉS TU?
QUE DESCE DO CÉU!
COM ASAS DE PRATA POR SOBE O BRASIL!
GUERREIRO ALADO, QUE NÃO SENTE DOR!
PARAQUEDISTA, COMANF, MERGULHADOR!
A SUA MISSÃO É DESTRUIR
A TROPA INIMIGA QUE TENTA INVADIR

CORRIDINHA MIXURUCA CORRIDINHA MIXURUCA,
QUE NÃO DÁ NEM PARA CANÇAR.
NESSE PASSO, NESSE PASSO,
VOLTA AO MUNDO EU VOU DAR.
NESSE PASSO, NESSE PASSO
TODOS JUNTOS VÃO CHEGAR.
E SE ALGUÉM NÃO AGUENTAR,
EU VOU TER QUE ARRASTAR.
E SE O ARRASTO ME MATAR, PODES CRER TU VAI FICA
VAI FICAR NA MÃO DE OUTRO – ATÉ EU ME RECUPERAR.
POIS NESSE PASSO, NESSE PASSO,
MESMO MORTO VOU TE BUSCAR.




SALTITANDO, SALTI…

Canções Militares para o TFM.

Essas canções são usadas durante o Treinamento Físico Militar nas Forças Armadas, das Polícias Militares e Corpos de Bombeiros Militares.
Demônios Camuflados Demônios camuflados vão sair da escuridão,
sentinela ensanguentado vai rolando pelo chão,
e perguntem de onde venho, venho da escuridão,
trago a morte, o desespero e a total destruição.
Armadilhas camufladas, acionadores de tração,
Quem vier atras de mim só vai ouvir a explosão(Cabum)
Sangue frio em minhas veias congelou meu coração
Nós gostamos de explosivos nosso lema é vibração.
Quem és Tu? Quem és tu?
Que desce do céu!
Com asas de prata por sobe o Brasil!
Guerreiro alado, que não sente dor!
Paraquedista, Comanf, Mergulhador!
A sua missão é destruir
A tropa inimiga que tenta invadir

Corridinha Mixuruca Corridinha mixuruca,
que não dá nem para cançar.
Nesse passo, nesse passo,
Volta ao mundo eu vou dar.
Nesse passo, nesse passo
Todos juntos vão chegar.
E se alguém não aguentar,
Eu vou ter que arrastar.
E se o arrasto me matar, podes c…

Termodinâmica

Termodinâmica