Sem estrutura, tenente Styvenson questiona: “Agora falta falar com quem? Com Deus?”


Na última quarta-feira (06), quatro policiais e duas viaturas viram condutor fugir com sorriso irônico

yuo78o78op
“Falei com o governador e a coisa não mudou. Agora falta falar com quem? Com Deus? O que eu tenho folgado aqui é cone, tem muito. Mas quando eu digo que está difícil é porque está mesmo. Continuamos a fazer nosso trabalho apenas por responsabilidade social. Mesmo que eu quebre meus ossos, eu vou fazer por ter assumido compromisso com a população, com famílias que perderam entes queridos no trânsito, como a do ciclista da Rota do Sol”.
O novo desabafo do Tenente Eann Styvenson Valentin Mendes sobre a piora na estrutura da Operação Lei Seca é mais um entre inúmeras aparições na imprensa que ele faz para cobrar “o possível, não o ideal” e chamar a atenção para a negligência do poder público diante de um dos principais causadores de mortes no Brasil. Na última quarta-feira (06), na avenida Engenheiro Roberto Freire, na entrada da própria Rota do Sol, situações inacreditáveis foram revividas.
Sem os quatro agentes de trânsito do Detran, após a mudança na coordenação do setor de Educação e Fiscalização do órgão (saiu Adriano Barbosa e entrou Débora de Faria Gurgel), houve uma queda drástica no número de carros parados, em uma relação de 70% – da média de 500 veículos interceptados, em 2014, anteontem foram apenas 140. “Teve um motorista que abriu a porta e saindo rindo, correndo. Ele voltou no dia seguinte para pegar o carro”.
Com apenas duas viaturas, uma picape, uma van-escritório e quatro policiais militares, sobrou a resignação. Dos quatro bafômetros disponíveis, apenas dois funcionavam, na noite retrasada. “O ideal para darmos segurança à população em grande escala seria termos uns 60 policiais, dez viaturas e, pelo menos, quatro microônibus. Mas sei que isso é inviável. Então, dentro do possível, uns 15 policiais e seis viaturas já melhoraria muito”.
No começo de abril, o Tenente Styvenson se reuniu com o governador Robinson Faria e a cúpula da segurança pública estadual, após informar que abandonaria a Operação Lei Seca. Com a repercussão negativa nas redes sociais, elogios ao trabalho nas blitzes e promessas de novos investimentos foi o saldo da conversa. Mas até agora a situação permanece incomoda. “Foi a primeira e única vez que falei com ele [o governador Robinson Faria]. São coisas fáceis, simples de serem conseguidas. Eu não estou pedindo helicóptero, iate, nada disso”.
O último recurso seria falar com o chefe do Executivo estadual. “Cansei de falar, de pedir estrutura. O pior é que me comprometi com a população, com as famílias de pessoas que morreram no trânsito. Com tudo ou nada, eu vou fazer. A pessoa não pode ser egoísta e pensar só nela. E a população? Eu tenho palavra. Cumpro o que prometi”, diz o também palestrante que, diariamente, orienta crianças, adolescentes e adultos em escolas e universidades.
“Acredito que esse nosso trabalho, que não é só de prender, mas também de educar, vai surtir efeito, com o tempo. As próprias pessoas vão terminar reprovando o familiar que bebe e dirigi. O que não pode é a gente parar. Acho que isso vai transformar as pessoas. Com o tempo e persistência, isso vai acontecer”.
Detran
Sem fornecer os quatro agentes de trânsito que costumam participar das blitzes ao lado da equipe comandada pelo Tenente Styvenson, o Detran trocou de coordenador em seu setor de Educação e Fiscalização de Trânsito. Contatado pela reportagem, a assessoria de comunicação informou que a direção geral se reunirá nesta sexta-feira (08) com a nova coordenadora, Débora de Faria Gurgel, para definir um plano de ação conjunta. Ela assumiu o cargo hoje, o que seria prematuro para qualquer posicionamento sobre a participação do órgão. A assessoria informou ainda que as alterações sobre o que será feito serão divulgadas “o mais rápido possível”.

http://jornaldehoje.com.br/diante-da-falta-de-estrutura-styvenson-dispara-falta-falar-com-quem-com-deus/