terça-feira, 7 de setembro de 2010

Comemorações da Semana da Pátria se encerram com desfile cívico


Além de um feriado no qual os natalenses aproveitam para ir à praia, o dia 7 de setembro marca um momento histórico importante para o Brasil.
Por Melina França
Além de um feriado no qual os natalenses aproveitam para ir à praia, o dia 7 de setembro marca um momento histórico importante para o Brasil. O ano foi 1822, quando, às margens do Rio Ipiranga, o príncipe regente Dom Pedro I bradou “Independência ou morte”. Apesar da personificação simbólica, esta é a data em que os brasileiros comemoram a independência em relação à metrópole Portugal.

Apesar disso, seria errôneo pensar que o acontecimento se resumiu ao Grito de Independência. A emancipação da colônia se deu, na verdade, por uma série de fatores associados à crise do Antigo Sistema Colonial. Neste caso, as revoltas ocorridas em solo tupiniquim no final do XVIII são apenas um exemplo.

Com a tarefa de celebrar a data, o Governo do Estado juntamente com o Exército, Aeronáutica e Marinha programaram uma série de atividades ao longo da semana passada. Os eventos se encerram hoje (7), com o Desfile Cívico Militar, a partir das 9h, na Praça Cívica, em Petrópolis, Zona Leste de Natal.

Para quem fica em Natal durante o feriado, o desfile é uma das atrações mais tradicionais. Em 2009, o portal Nominuto foi conferir a comemoração e constatou presença de grande público no local. Em sua maioria, os espectadores eram crianças e seus respectivos responsáveis, muitos deles atraídos pela curiosa passeata e pelas marchas entoadas pelas bandas.
http://www.nominuto.com/noticias/cidades/comemoracoes-da-semana-da-patria-se-encerram-com-desfile-civico/59756/

História Luso-Brasileira - O que D.Pedro disse realmente às margens do Ipiranga?



d.pedro
Há controvérsia sobre a famosa frase "Independência ou morte", que teria sido dita por d. Pedro I (d. Pedro IV, em Portugal), por volta das quatro horas da tarde do dia 7 de setembro de 1822, às margens do Ipiranga.
Pelo menos segundo uma testemunha ocular da cena, o padre Belchior Pinheiro de Oliveira, o primeiro imperador do Brasil jamais a proferiu, e, na sua versão, o episódio foi muito menos glamuroso do que registrou a história oficial.
Na ocasião d. Pedro voltava de São Paulo para a corte montado numa mula - e não no garboso corcel do quadro de Pedro Américo -, sofrendo com os desagradáveis efeitos de uma indigestão. De fato, segundo o padre, o então príncipe regente "vinha de quebrar o corpo à margem do riacho do Ipiranga, agoniado por uma disenteria, com dores, que apanhara em Santos", quando recebeu a correspondência vinda de Lisboa com exigências para ele inaceitáveis. Ao tomar ciência do conteúdo, atirou os papéis no chão e os pisoteou. Depois recompôs a farda e dirigiu-se lentamente à estrada onde estacionara sua comitiva. Parou repentinamente e disse a Belchior: "Nada mais quero do governo português e proclamo o Brasil para sempre separado de Portugal!" Arrancou então o laço azul e branco do seu chapéu, que simbolizava o governo português, e jogou-o fora, dizendo em seguida: "Pelo meu sangue, pela minha honra, pelo meu Deus, juro fazer a liberdade do Brasil."
É esta a versão do padre Belchior, mas não a única. O dístico "independência ou morte" teria sido criado depois do episódio. Já chamado de "rei do Brasil", d. Pedro mandou gravá-lo em ouro e o exibia no braço, preso a uma fita verde-amarela, transformando-o assim no lema do novo Império.

(via revista Nossa História)





ASSOCIAÇÃO CONVOCA ASSEMBLÉIA GERAL





ASSEMBLÉIA GERAL



CONVOCAÇÃO: OFICIAIS E PRAÇAS


A Associação de Cabos e Soldados (ACS-PMRN) convoca todos os policiais e bombeiros militares, oficiais e praças, a comparecerem no próximo dia 18 de setembro (sábado), às 8h, no auditório do IFRN, localizado na Av. Rio Branco, s/n, Cidade Alta (ao lado da Auto Escola Potiguar), no intuito de ser realizada uma Assembléia Geral para tratar sobre o Estatuto, o Código de Ética e o Subsídio (salário de R$ 3.200,00 para o soldado).

Sargento Regina pode perder mandato de vereadora, segundo presidente da OAB



A vereadora Sargento Regina (PDT) corre o risco de perder o mandato no Legislativo municipal em virtude das declarações divulgadas em vídeos, na internet. A informação é do presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB/RN), Paulo Eduardo Teixeira, que levou o assunto, ontem, à pauta de reunião do Comitê 9840 - movimento de combate à corrupção eleitoral e que reúne diversas entidades. O advogado informou, no entanto, que o Comitê não tem prerrogativa para tomar decisões sobre o caso, levando em conta que os vídeos remetem a uma situação anterior ao atual processo eleitoral. O papel do movimento, segundo ele, é pressionar as instituições - Ministério Público Estadual, Câmara Municipal de Natal e o próprio partido PDT -, responsáveis pela apuração do caso, para que investiguem, o mais rápido possível, a autenticidade dos vídeos.

A reunião do Comitê 9840 acontece todas as segundas-feiras e na tarde de ontem e, em virtude da repercussão do caso da vereadora Sargento Regina, os membros do Comitê resolveram debater o assunto. "Fomos procurados pela imprensa para falar sobre o nosso posicionamento. Não temos uma personalidade jurídica, aliás, o Comitê tem um caráter mais educativo do que policial. Mas diante da repercussão, resolvemos trazer o assunto para nossa reunião. Não temos como nos posicionar, mas, se essa apuração revelar que há um crime e ela se tornar uma ficha suja, o Comitê poderá se posicionar depois", disse Sérgio Freire, conselheiro da OAB.

O promotor de Justiça Augusto Azevedo afirmou que não cabe ao Comitê deliberar sobre o caso, tendo em vista que o movimento é fundamentado em dois pilares: trabalhar na conscientização da população com relação ao voto limpo e coibir a prática eleitoral da compra de votos. O promotor lembrou ainda da atuação do Comitê na época em que foi deflagrada a Operação Impacto, em 2008. "Essa denúncia da vereadora preocupa todos os cidadãos, mas onde o Comitê está inserido aí? Nós temos que reforçar para que a apuração seja feita.No caso da Operação Impacto, fomos às ruas, mas já existia uma investigação em curso. Neste caso, ainda não há", afirmou.

De acordo com o presidente da OAB, nada poderá ser feito contra a vereadora no que se refere à sua candidatura à deputada estdual. "Se esses vídeos tivessem sido divulgados antes do registro de candidatura, o Comitê poderia ter se pronunciado no sentido de impedir essa candidatura. Mas agora, cabe ao Ministério Público requisitar esse material para fazer uma investigação detalhada, à Câmara, abrir um procedimento disciplinar e ao partido tomar providências sobre o mandato dela. A situação é lamentável", declarou. 
PDT promete instaurar procedimento

Na tarde de ontem, a Executiva Estadual do PDT encaminhou uma nota à imprensa se posicionando sobre o assunto e informando que "repudia e não convive com práticas políticas que atentem contra a ética e a probidade na vida pública". Segundo a nota, assinada pelo secretário geral do partido, Jonny Costa, a vereadora será convocada pelos instrumentos partidários legais, para que no prazo de oito dias, exercendo o seu direito de defesa, preste os devidos esclarecimentos perante este órgão partidário, fórum competente para avaliar e dar o encaminhamento adequado ao caso. Na nota, o partido afirma que se compromete em adotar todas as medidas ao seu dispor com vistas a corresponder adequadamente às expectativas e à confiança do povo potiguar. 
Comissão de Ética da CMN reúne na quinta-feira

No caso da Câmara Municipal de Natal, o presidente da Comissão de Ética da Casa, vereador Maurício Gurgel (PHS), disse que, na sessão da próxima quinta-feira, irá convocar uma reunião extraordinária com os demais membros da comissão - os vereadores Bispo Francisco de Assis (PSB) e Heráclito Noé (PPS) -, para deliberarem sobre o caso envolvendo a vereadora Sargento Regina no que diz respeito a acordo financeiro com o presidente, Dickson Nas-ser (PSB). "Não posso falar sobre o assunto antes de conversar com os outros membros da comissão. Após essa reunião a gente vai decidir o que será feito", disse. 
Por Jussara Correia, do Diário de Natal



Palavras - chaves



Funcionário do Banco do Brasil rouba agência para provar insegurança



Um funcionário do Banco do Brasil de Camocim, no Litoral Oeste do Estado, foi preso, em flagrante, na manhã desta terça-feira (7).
Gilmar Dorneles de Almeida arrombou a grade de uma das janelas da agência e retirou alguns equipamentos como: cpu's e monitores de computador. O curioso é que o material foi todo deixado do lado de fora do banco, no estacionamento.
Na delegacia, o funcionário disse aos policiais que, na verdade, ele tentava provar que a agência bancária era insegura. A versão não convenceu e Gilmar continua preso por tentativa de furto. A polícia ainda quer ouvir o gerente e outros colegas do banco.


Roubos a bancos se intensificam no Rio Grande do Norte



Desde o início deste ano, os roubos vêm acontecendo com frequência, em cidades como Baraúna, Umarizal, Martins, São Miguel e Goianinha.

Por Thyago Macedo

Nos últimos meses, o Rio Grande do Norte tem revivido momentos de tensão com a ação de grandes quadrilhas que buscam um alvo em comum: as agências bancárias. Desde o início deste ano, os roubos vêm acontecendo em cidades como Baraúna, Umarizal, Martins, São Miguel e Goianinha.

Nesses casos, os criminosos foram bem sucedidos, mas também tiveram os episódios em que ficaram apenas na tentativa, como ocorreu em Poço Branco, Monte Alegre e até mesmo em Natal, onde as quadrilhas têm se especializado em arrombar os caixas-eletrônicos.

Para a polícia, não existe uma organização criminosa especificamente para roubar banco. Atualmente, os bandidos contam com a fragilidade do sistema de segurança pública, principalmente em cidades do interior, para concretizar os assaltos e fugirem sem dificuldades.

Nos últimos casos, em São Miguel e Goianinha, ficou claro que os assaltantes sabiam o momento de agir e o caminho por onde fugir. Somente na primeira cidade, a quadrilha conseguiu roubar R$ 600 mil do Banco do Brasil. Para isso, foi preciso usar da violência, fazendo toda família do gerente refém e fugir levando os filhos dele.
Foto: Thyago Macedo
Deficiência da polícia e estradas do interior ajudam na fuga dos bandidos.

Além da deficiência que a polícia encontra no interior do Rio Grande do Norte, outro fator tem contribuido para as ações bem sucedidas dos bandidos. Hoje, as quadrilhas são compostas por membros de vários estados diferentes, em uma espécie de regionalização do crime.

Uma fonte da Divisão de Investigação e Combate ao Crime Organizado (Deicor) revelou que dificilmente um bando que planeja assalto a banco é da região onde ele vai agir. Geralmente, apenas um integrante atua na área e funciona como informante.

A mesma fonte explicou que a maioria das quadrilhas é composta por pernambucanos, paraibanos, cearenses e norte-rio-grandenses. Em alguns casos, a interestadualização do crime vai ainda mais longe.
Foto: Divulgação
Trio preso no Maranhão é acusado de roubar Banco do Brasil em São Miguel (RN).

É o exemplo do roubo ao Banco do Brasil em São Miguel. Neste caso, a polícia deu sorte e conseguiu prender três homens em uma barreira policial, no estado do Maranhão. Francisco Evangelista Dutra é natural de Mirador (MA); Renato Oliveira dos Santos é natural de Pium (TO); e João Lopes da Silva é natural de Redenção (PA). Com o trio, a polícia do Maranhão conseguiu recuperar R$ 571 mil.

No caso do roubo em Goianinha, seis pessoas foram presas, cinco delas na Paraíba e um deles na praia de Pipa, no Rio Grande do Norte. A prova da interestadualização dessas quadrilhas é que a maioria dos presos é acusada de roubos em vários estados do Nordeste.
Foto: Blog Por Trás das Grades
Agência bancária destruída, após roubo no interior do RN. Nesse caso, em Umarizal, os bandidos explodiram caixas-eletrônicos.

O líder dessa quadrilha que agiu em Goianinha, Silvano Sales dos Santos, é pernambucano. De acordo com a Polícia Federal, ele era foragido do presídio Aníbal Bruno, naquele estado, e também já esteve preso por roubos semelhantes na Paraíba, inclusive a agências dos Correios.

Os Correios, aliás, também têm se tornado alvo fácil e cobiçado pelos criminosos. Somente neste ano, foram pelo menos 11 agências roubadas no interior do Rio Grande do Norte. Na maioria delas, existe um fluxo de dinheiro devido ao pagamento de benefícios aos moradores de pequenas cidades, o que tem atraído a atenção das quadrilhas.