sábado, 28 de setembro de 2013

Entalpia

Entalpia


Por Luiz Molina Luz
Em termos mais práticos, podemos dizer que: “Em um sistema químico, a energia total é chamada entalpia e é designada por H”.

Quando o sistema sofre uma transformação no seu estado, a variação de entalpia (∆H) é dada por:
Estado inicial → Estado final

Calores de reação

Calores de reação

Calor de reação corresponde à variação de entalpia (calor absorvido) observada em uma reação, e sua classificação depende do tipo de reação decorrente: 

Exemplos:



Reação de neutralização → calor de neutralização.

Funções Químicas

Funções Químicas

Juliana Miranda

Chamamos de Funções Químicas os grupos de substâncias compostas que se apresentam com propriedades químicas e comportamentos semelhantes.

Características como acidez, basicidade, solubilidade em água e reatividade são apresentadas nos estudos das Funções Químicas. Os quatro principais tipos de função são: óxidos, ácidos, bases e sais.

É possível classificar uma substância dentro dessas funções a partir da análise dos tipos de íons que se formam quando esta é dissolvida em água. Essas substâncias também são chamadas de funções inorgânicas, que se caracterizam por compostos que não possuem cadeia carbônica.

LIGAÇÕES INTERMOLECULARES e GEOMETRIA MOLECULAR


LIGAÇÕES INTERMOLECULARES / INTERAÇÕES INTERMOLECULARES

Pontes de Hidrogênio

Pontes de Hidrogênio

Tipos de Reações Químicas

Tipos de Reações Químicas


Reação de síntese: presente em flashes fotográficos.

Eletroafinidade

Eletroafinidade


Por André Luis Silva da Silva
Em oposto à energia de ionização, um átomo também pode receber um elétron, formando um íon negativo:

X(g)  + 1 elétron    X- (g)

Periodicidade química

Periodicidade química

  1. Cronologia

Polaridade das moléculas - ligações intermoleculares

Polaridade das moléculas - ligações intermoleculares

  1. Ligação covalente e polaridade
  2. Polaridade das moléculas
  3. Polaridade e solubilidade
  4. Ligações intermoleculares ou forças de van der Waals

Ligações Químicas


Ligações Químicas

Separação de Misturas

Separação de Misturas


Por Lucas Martins
Na química, a separação de misturas  é muito importante, pois para obtermos resultados mais corretos em pesquisas e experiências, é necessário que as substâncias químicas utilizadas sejam as mais puras possível. Para isso, utiliza-se vários métodos de separação, que vão desde a “catação” até complicada “destilação fracionada”.

Propriedades e estados físicos da matéria

Exercícios - Propriedades da Matériapopular! - Uece



Propriedades e estados físicos da matéria

Propriedades da Matéria

Propriedades da Matéria

As propriedades da matéria podem ser classificadas de acordo com vários critérios, como, por exemplo, aquelas que são gerais e as que são específicas. Tem também as que não dependem da quantidade da amostra, que são chamadas de intensivas; e as que dependem da quantidade, que são as extensivas.

CÁLCULO ESTEQUIOMÉTRICO

CÁLCULO ESTEQUIOMÉTRICO

GRANDEZAS QUÍMICAS

GRANDEZAS QUÍMICAS

GRANDEZAS - CONCEITO
Grandeza pode ser definido com tudo aquilo que pode ser medido, como por exemplo:
tempo → segundos, minutos, horas, dias, etc.
volume → litros, metros cúbicos, mililitros, etc.
massa → gramas, toneladas, quilogramas, etc.

Balanceamento de equações químicas








Agora que já aprendemos a escrever uma equação química, não podemos deixar de verificar sempre se o número de átomos de cada elemento é o mesmo em ambos os lados da equação, ou seja, se ela está balanceada. Para realizar o balanceamento, temos que colocar um número denominado coeficiente estequiométrico antes dos símbolos. Quando o coeficiente de uma equação for igual a 1, não é preciso escrever. Observe os exemplos:

Equação Química

Equação Química

A equação química é a forma de se descrever uma reação química. Os reagentes são mostrados no lado esquerdo da equação e os produtos no lado direito. 
Representação de uma Equação Química: 

Fórmula Mínima ou Empírica

Fórmula Mínima ou Empírica

sexta-feira, 27 de setembro de 2013

Respiração e Fermentação



Fotossíntese e Quimiossíntese


Fotossíntese e Quimiossíntese

A glicose e o metabolismo

A glicose e o metabolismo

Como já vimos, nos seres vivos o combustível mais utilizado é a glicose,substância altamente energética cuja quebra no interior das células libera a energia armazenada nas ligações químicas e produz resíduos, entre eles gás carbônico e água.

Citologia - Continuação

Formação do acrossomo do espermatozóide
O aparelho de Golgi desempenha um papel importante na formação dos espermatozóides. Estes contêm bolsas repletas de enzimas digestivas, que irão perfurar as membranas do óvulo e permitir a fecundação. A bolsa de enzimas do espermatozóide maduro, originada no aparelho de Golgi, é o acrossomo (do grego acros, alto, topo, e somatos, corpo), termo que significa “corpo localizado no topo do espermatozóide”.

Citologia

Citologia
A fronteira das células

Nitrificação e Desnitrificação

Nitrificação e Desnitrificação

quinta-feira, 26 de setembro de 2013

Bônus Demográfico

http://veja.abril.com.br/noticia/economia/estudo-do-ibge-comprova-bonus-demografico-do-pais

Características da População Brasileira

http://7a12.ibge.gov.br/vamos-conhecer-o-brasil/nosso-povo/caracteristicas-da-populacao

Representatividade política

http://www.scielo.br/scielo.php?pid=s0102-69092004000300008&script=sci_arttext

http://g1.globo.com/politica/noticia/2013/04/tse-altera-numero-de-deputados-federais-de-13-estados.html

Estrutura Político-Administrativa do Brasil

Estrutura Político-Administrativa do Brasil
A estrutura político-administrativa que gerencia e controla o Brasil.



Divisão político-administrativa do território brasileiro

Sistema político do Brasil


GOVERNO E POLÍTICA

Sistema político


O Brasil é uma República Federativa Presidencialista, formada pela União, estados e municípios, em que o exercício do poder é atribuído a órgãos distintos e independentes, submetidos a um sistema de controle para garantir o cumprimento das leis e da Constituição

Fuso Horário Brasileiro

Fuso Horário Brasileiro

Em 2008, foi aprovada uma lei que modificou o fuso horário da região Norte do Brasil


Os fusos horários foram criados por meio de uma reunião de 24 países, em 1884, na cidade de Washington. Nessa ocasião, estabeleceram-se 24 fusos de uma hora, tendo como referência o tempo em que o planeta Terra leva para dar uma volta completa em torno do seu próprio eixo, aproximadamente 24 horas (23 horas, 56 minutos e 4 segundos). Nesse sentido, a partir da divisão da circunferência da Terra (360°) por 24, obtém-se a medida de cada fuso horário: 15°.
O Meridiano de Greenwich é o marco inicial (0°). Conforme se desloca para leste ou oeste de Greenwich, os fusos são alterados. Partindo do princípio de que a Terra gira de oeste para leste, os fusos a leste de Greenwich têm as horas adiantadas (+). Já os fusos situados a oeste têm as horas atrasadas (-) em relação à hora de Greenwich.
O Brasil apresenta grande extensão territorial. No sentido leste-oeste, o país possui 4.319,4 quilômetros, fato que proporciona a existência de quatro fusos horários distintos no Brasil.
Durante muitos anos, o país adotou esses quatro fusos diferentes, entretanto, em 2008, foi aprovada, pelo então presidente Luiz Inácio Lula da Silva, uma lei proposta pelo senador Tião Viana (PT – AC) para reduzir um fuso horário na região Norte. Nesse sentido, o extremo oeste do território brasileiro (localizado a -75° Oeste do Meridiano de Greenwich) teve seu horário adiantado em uma hora, estabelecendo o mesmo horário do fuso -60°. Essa medida teve como principal objetivo adequar os horários dos programas televisivos exibidos em rede nacional.
Veja como era e como ficou o fuso horário do Brasil em relação ao horário de Brasília.

Divisão do Brasil em Regiões e em Complexos Regionais





Regiões Brasileiras
O Brasil segue, atualmente, a divisão regional estabelecida em 1970, que divide o país em cinco regiões: Centro-Oeste, Nordeste, Norte, Sul e Sudeste.

Energia Hidrelétrica no Brasil

http://www.juliobattisti.com.br/tutoriais/arlindojunior/geografia030.asp

http://interessenacional.uol.com.br/index.php/edicoes-revista/energia-eletrica-no-brasil-contexto-atual-e-perspectivas/1/

http://interessenacional.uol.com.br/index.php/edicoes-revista/energia-eletrica-no-brasil-contexto-atual-e-perspectivas/2/

http://interessenacional.uol.com.br/index.php/edicoes-revista/energia-eletrica-no-brasil-contexto-atual-e-perspectivas/3/

http://interessenacional.uol.com.br/index.php/edicoes-revista/energia-eletrica-no-brasil-contexto-atual-e-perspectivas/4/

http://interessenacional.uol.com.br/index.php/edicoes-revista/energia-eletrica-no-brasil-contexto-atual-e-perspectivas/5/

http://interessenacional.uol.com.br/index.php/edicoes-revista/energia-eletrica-no-brasil-contexto-atual-e-perspectivas/6/

http://interessenacional.uol.com.br/index.php/edicoes-revista/energia-eletrica-no-brasil-contexto-atual-e-perspectivas/7/


ENEM - Matrizes Energéticas

Matrizes Energéticas


Matrizes energéticas são as diferentes fontes de energia disponíveis para o desenvolvimento das atividades sociais. Seja na indústria, na produção de energia elétrica ou nos transportes, é necessário haver uma fonte de energia que possibilite o funcionamento das máquinas e realização dos trabalhos. Sendo uma das grandes preocupações da humanidade, as discussões sobre as matrizes energéticas ocupam grande espaço na mídia e nos centros de pesquisas tecnológicas, onde o grande desafio consiste em descobrir fontes de energia renováveis, baratas e “limpas”.

ENEM - Fontes de Energia


Fontes de Energia
Conheça as diferentes fontes de energia (tipos de energia) renováveis e não renováveis.

A energia eólica é uma fonte de energia renovável.