sábado, 31 de julho de 2010

Preso mata mulher estrangulada durante visita em presídio da ZN

Detento João Paulo recebeu a visita íntima da companheira e, por volta de 13h30, acabou matando-a com um golpe no pescoço.

Por Thyago MacedoTamanho do texto: A ImprimirMais um caso de marido que mata mulher foi registrado pela polícia neste sábado (31). O detalhe curioso é que desta vez o crime aconteceu dentro do Presídio Provisório Professor Raimundo Nonato, na Zona Norte de Natal. Um dos presos estrangulou a mulher durante visita íntima.



De acordo com uma fonte do portal Nominuto.com, o detento João Paulo Fazonário recebeu a visita da companheira e, por volta de 13h30, acabou matando-a. Ainda não se sabe o que teria motivado o homicídio.



Segundo informações de agentes que trabalham no presídio provisório, João Paulo aplicou uma gravata na mulher, fazendo com que ela sufucasse até a morte. Quando os agentes entraram na sala especial para visita íntima, já encontraram a vítima sem vida.



O preso foi retirado do local e isolado dos demais detentos. Neste momento, a direção do presídio provisório Raimundo Nonato Fernandes aguarda a chegada dos peritos do Instituto Técnico-Científico de Polícia para realizar perícia no corpo da mulher, que ainda não teve identidade divulgada.
 
 
http://www.nominuto.com/noticias/policia/preso-mata-mulher-estrangulada-durante-visita-em-presidio-da-zn/57661/

Sargento Regina tem suspensão de demissão e vira Ficha Limpa

Com a decisão do STJ, a vereadora vai poder concorrer a uma vaga na Assembleia Legislativa.





O Superior Tribunal de Justiça (STJ) julgou na última terça-feira (27) o pedido de suspensão da demissão administrativa da vereadora e policial Sargento Regina (PDT), que teve pedido de registro de candidatura impugnado por não atender aos quesitos do projeto em vigor, Ficha Limpa. Com a decisão, a candidata pode concorrer a uma vaga na Assembleia Legislativa.

O projeto Ficha Limpa (Lei Complementar nº 64/90, na redação dada pela Lei Complementar nº 135/2010) prevê suspensão do registro de candidatura para quem já foi processado. No caso de Regina, ela foi excluída da Polícia Militar por supostamente haver contraído uma dívida da qual se tornou insolvente.

A vereadora e candidata a deputada estadual, Mary Regina, alega que a demissão não se enquadra no projeto já que, segundo ela o motivo da expulsão da Polícia Militar por perseguição política.

No último dia 16 de julho, a Justiça Eleitoral indeferiu o pedido de candidatura da vereadora quando solicitou a impugnação da candidatura, por incluir a pedetista nos termos do “Ficha Limpa”.

De acordo com a decisão do Ministro Hamilton Carvalhido, a decisão é positiva para o pedido de Sargento Regina. Leia os termos da decisão:





“Diante disso, defiro o pedido de liminar para conferir efeito suspensivo no RMS nº 27.672, sustando com isso, os efeitos do ato de demissão decorrente do processo administrativo , até ulterior deliberação do relator”.





Fonte: Nominuto.com

http://www.nominuto.com/noticias/politica/sargento-regina-tem-suspensao-de-demissao-e-vira-ficha-limpa/57647/

sexta-feira, 30 de julho de 2010

Marcha reúne potiguares que apoiam liberação da maconha

Centenas de pessoas se reuniram na UFRN portando cartazes e gritando frases como: “Arroz, Feijão, Maconha e Educação”.

Por Thyago Macedo

Foto: Ricardo Júnior
A primeira marcha pela liberação da maconha no Rio Grande do Norte foi realizada na tarde desta sexta-feira (30). Centenas de pessoas de todas as idades se reuniram no Campus da UFRN portando cartazes e gritando frases em prol da cannabis, como: “Arroz, Feijão, Maconha e Educação”.

A organização do evento, o Coletivo Cannabis Ativa, destaca que a marcha é uma das formas de gritar por todos que defendem a liberação da maconha. Além disso, os organizadores do evento insistiam em propagar a ideia de que a proibição da droga “fortalece a criminalidade” e que a cannabis pode ter uma série de benefícios, principalmente, medicinal.

Para a estudante universitária Leilane Assunção, estudos científicos comprovam que ao contrário do que os críticos falam, a maconha não causa danos mentais. “Vários cientistas estudam isso e alguns chegaram à conclusão que é possível potencializar a intelectualidade, através da cannabis”.
Foto: Ricardo Junior

Leilane Assunção ressaltou que o objetivo da marcha é informar a sociedade e tentar quebrar o preconceito que gira em torno do consumo da droga. “Hoje, as rodas de fumo reúnem policiais, médicos, jornalistas, artistas e até mesmo donas de casa. Então, porque proibir?”, questiona.

A estudante afirma também que é viciada em maconha, mas, destaca: “comecei a usar depois de adulta. É importante dizer que nós estamos aqui pedindo a liberação, mas temos a consciência da existência de grupos de riscos, que são crianças e adolescentes”.

De acordo com Leilane, nessa fase da vida o uso de cannabis pode afetar o desenvolvimento dos órgãos. “No entanto, na fase adulta, cada um é responsável pelos seus atos e pelo seu corpo”, frisa.
Foto: Ricardo Junior

Apesar da grande maioria dos que foram à marcha defender a liberação da maconha, o evento também teve a presença daqueles que não concordam com a causa. Para Maria Aparecida, de 61 anos, que se disse uma pessoa moderna, a droga só traz problemas para a população.

“Sou totalmente contra. Essa marcha é para ver se melhora a situação, mas, com certeza vai piorar. O mundo já está destrambelhado se a maconha for liberada ai vai ser complicado”, comentou.

Maria Aparecida disse que tem dois filhos e sempre os orientou a não ingressar no vicio. “Se eu descobrisse que algum deles usa maconha iria bater o mundo todo em busca de um local que pudéssemos libertá-los desse mal”.
Foto: Ricardo Junior

A organização da Marcha da Maconha esperava reunir aproximadamente 500 pessoas na caminhada que saiu da Praça Cívica da Universidade Federal do Rio Grande do Norte e foi até a Reitoria da instituição.

Durante todo o percurso, os “soldados da maconha” foram acompanhados por policiais militares que fizeram a segurança e coibiam qualquer tipo de utilização da maconha. A determinação a Polícia Militar é que os manifestantes não podiam consumir, portar ou fazer apologia ao uso da droga.
Foto: Ricardo Junior
http://www.nominuto.com/noticias/policia/marcha-reune-potiguares-que-apoiam-liberacao-da-maconha/57624/
 

Cursos - Olá Turista


 A escola on-line

Os cursos do Olá, Turista! permitem ao aluno interagir com a escola e com os conteúdos sem limite de acesso. A estrutura de atividades possibilita o desenvolvimento de todas as habilidades necessárias para que o aluno consiga se expressar dentro de um novo idioma, como: a fala, a escuta, a escrita e a leitura. Este tipo de solução atende desde alunos que não apresentam nenhum conhecimento do idioma até alunos do nível avançado.
Duração do Curso
Os alunos terão o prazo de até 12 meses para concluir o curso, a contar da data de confirmação da inscrição. Aqueles que não realizarem nenhuma atividade durante o período de 30 dias poderão ser substituídos.
Módulos
http://www.olaturista.org.br/lumis/portal/file/fileDownload.jsp?fileId=FF808081245F3F7301250281D3B9166C Módulo Básico – 56h
Aborda os principais aspectos da língua. Ao final, o aluno será capaz de cumprimentar pessoas, apresentar-se, pronunciar as letras do alfabeto, usar pronomes pessoais e possessivos, dizer de onde é, nomear países e cidades, contar até 100, utilizar o verbo to be (inglês) ou ser e estar (espanhol).
http://www.olaturista.org.br/lumis/portal/file/fileDownload.jsp?fileId=FF808081245F3F7301250281D3B9166C Módulo Profissional – 12h
O objetivo é familiarizar o público com situações, diálogos e vocabulário pertinentes a cada categoria ligada ao turismo que irá corresponder a uma unidade do curso, com diferentes diálogos e vocabulários específicos.
http://www.olaturista.org.br/lumis/portal/file/fileDownload.jsp?fileId=FF808081245F3F7301250281D3B9166C Módulo Regional – 12h
Este módulo aborda os atrativos turísticos de cada estado que faz parte do projeto. O objetivo é instrumentalizar o trade específico de cada localidade, agregando valor ao conteúdo do curso e ao contexto de vida prática dos alunos.
Certificação
O aluno realiza um teste que mede seu aprendizado ao final de cada um dos módulos. Ao final do curso, se atingir um rendimento de 70%, o aluno pode emitir um certificado e imprimir, através da própria escola de idiomas.

A escola on-line

http://www.olaturista.org.br/main.jsp?lumChannelId=4028808122091AF801220E49AD480E4B

Bandido se veste de mulher para furtar lojas na zona Sul




DivulgaçãoBandido se veste de mulher para furtar lojas na zona Sul
Bandido se veste de mulher para furtar lojas na zona Sul









A polícia está à procura de um homem que se veste de mulher para furtar lojas na zona Sul de Natal. O criminoso já arrombou pelo menos três lojas de um centro comercial em Cidade Jardim. A última ação dele foi na madrugada do domingo (25) para a segunda-feira (27).

"Passava da meia-noite quando recebi um telefonema da empresa de segurança da minha loja informando do arrombamento. Vim até aqui e vi que realmente ele havia levado um monte de calças, de blusas e de bolsas. É um safado", disse a dona da loja.

As imagens do circuito de segurança mostram a ação do fim de semana. Primeiro ele tenta arrombar a loja, mas com a passagem de um carro, o bandido corre. Em seguida, volta e consegue entrar na loja, onde passa poucos minutos e sai com sacolas cheias de produtos furtados.

Uma outra imagem capturada pelas câmeras de segurança mostra o bandido usando vestido e peruca. A polícia ainda não tem informações sobre a identidade do criminoso.
Quem tiver informações sobre o bandido pode ligar para o plantão 190 da polícia ou para o disque-denúncia: 0800-084-2999.

* As imagens foram cedidas pela TV Ponta Negra.

Fonte: Tribuna do Norte

Marcha da Maconha será hoje na praça do campus

Uma carta publicada há três semanas por quatro neurocientistas, entre eles Sidarta Ribeiro, diretor do Instituto Internacional de Neurociências de Natal e um dos principais nomes da área no Brasil e no mundo, colocou a polêmica discussão sobre a descriminalização da maconha sob um novo prisma. Não se trata “somente” da opinião de usuários, vistos de forma negativa por boa parte da sociedade. Trata-se de um renomado cientista, respeitado pela sociedade, evocando argumentos científicos para defender politicamente a viabilidade de retirar a maconha da lista de drogas proibidas.

Coincidência ou não, um grupo de alunos da UFRN, depois de discutir o assunto, resolveu criar o Coletivo Cannabis Sativa, que hoje, às 16h, realiza a Marcha da Maconha, com o intuito de protestar pela descriminalização da droga. A marcha sairá da Praça Cívica do Campus e interromperá, por pouco tempo, o trânsito da BR-101. Vista com desconfiança pela Polícia Militar e Civil, após a atuação do Ministério Público ficou decidido que a Marcha acontecerá sob o monitoramento da polícia. 

Usar, portar, vender ou fazer apologia à droga será motivo de prisão durante a Marcha, por se tratar de atividades proibidas por lei. Contudo, os organizadores, Leilane Assunção, Álvaro Andrade e Isabele Bentes, todos estudantes da UFRN, afirmam não ser esse o objetivo do protesto. “Queremos que a sociedade discuta o assunto, de maneira equilibrada, racional e sem preconceitos”, afirma Álvaro. “Essa é uma discussão um pouco mais evoluída no Sudeste, que ainda é vista sob certo preconceito no Nordeste”, complementa o neurocientista Sidarta Ribeiro.

Entre os principais argumentos utilizados pelo neurocientista, e pelos organizadores da Marcha, para defender a descriminalização é o potencial de dano ou vício da maconha. Sidarta Ribeiro afirma que cientificamente não há evidências de males causados pelo consumo de maconha. “O nosso próprio cérebro tem substâncias chamadas endocanabinóides, muito parecidos com o que é encontrado na maconha”, afirma. E complementa: “Os males relacionados ao consumo de maconha provavelmente são devidos ao ato de fumar. Não há evidência científica de que, se fosse consumida através de inalação, por exemplo, existiria dano à saúde”. A carta aberta à sociedade, enviada por Sidarta e mais três neurocientistas, argumenta da mesma forma. Para eles, a política de repressão causa mais males que o consumo da substância.

Esse é o segundo ponto de articulação dos argumentos dos defensores. Descriminalizar, permitindo inclusive o cultivo, seria, nessa ótica, uma forma de diminuir o poder do tráfico. Aliás, a ilegalidade da maconha é o motivo alegado pelos defensores, inclusive Sidarta Ribeiro, para a famosa ligação entre o uso de maconha e a porta de entrada para outras drogas. “Torna-se uma porta de entrada porque quem vende a maconha é o mesmo cara que vende o crack. Além disso, cientificamente, comparar essas duas substâncias é a mesma coisa de comparar cerveja a veneno de rato”, garante Sidarta. E encerra: “Infelizmente, as pessoas em geral ainda não tem informação suficiente para diferenciar uma substância da outra. O “povão” mesmo não faz distinção entre maconha, cocaína ou crack”

Leilane Assunção, uma das organizadoras da Marcha da Maconha, acredita que o debate sobre o tema é o melhor caminho para vencer preconceitos. Ela, e outros organizadores, querem rechaçar o esteriótipo do usuário de maconha. “As pessoas chamam de vagabundo, de maconheiro, criminoso. Queremos mostrar que somos pessoas bem sucedidas e levamos nossa vida normalmente. O nosso movimento é antes de tudo político. É um direito nosso nos manifestar sobre o que acreditamos”, diz Leilane, que faz doutorado no curso de Ciências Sociais.
Posicionamentos contrários 

Não precisa ser especialista em estatística para perceber que a proposta de descriminalizar, ou legalizar, a maconha não encontra maioria na sociedade. E não é somente no público leigo. Assim como Sidarta Ribeiro, outros acadêmicos respeitados se manifestam totalmente contrários ao “afrouxamento” da legislação no que diz respeito à substância. Os argumentos utilizados pelos defensores são replicados um a um, tornando essa uma das questões mais polêmicas em discussão na sociedade atualmente.

O professor de Serviço Social, João Dantas, um dos principais pesquisadores do tema álcool e drogadição na UFRN, se diz contrário à proposta defendida pelo Coletivo Cannabis Ativa. Ele prefere não entrar em questão no que diz respeito aos argumentos “neurocientíficos” evocados por Sidarta Ribeiro. “Não é a minha área, mas eu me amparo em uma série de pesquisadores reconhecidos até internacionalmente, como o professor Ronaldo Laranjeiras, que é psiquiatra e uma das maiores autoridades sobre o assunto”, diz.

Por esse segundo ponto de vista, a Cannabis passa a ser causadora de diversos problemas de saúde. “Dependência, bronquite crônica, insuficiência respiratória, problemas de memória e diminuição do rendimento acadêmico”, esses são os principais problemas citados pelo pelo professor João Dantas, baseado em pesquisas de Ronaldo Laranjeiras, pesquisador da Universidade Estadual de São Paulo (Unifesp). João Dantas rechaça também a idéia de “droga mais leve”. “Não existe droga mais leve. É impossível prever a reação das pessoas quanto a drogas”, afirma.

Que a maconha é “porta de entrada” para drogas mais pesadas é outro argumento evocado pelo professor João Dantas, assim como pela major Margarida Brandão, coordenadora do Programa Educacional de Resistência às Drogas e à Violência (Proerd). “Cerca de 80% dos crimes estão relacionados às drogas e quase a totalidade das pessoas que usam drogas pesadas começaram pelo álcool, tabaco e maconha”, diz a major, frisando que, na opinião dela, uma vida sem droga alguma, lícita ou ilícita, é o melhor para a sociedade. “Já temos uma droga lícita bastante perigosa e muito usada, que é o álcool. Liberar mais uma não traria nenhum benefício para ninguém”, acrescenta.
Liberdade

Sempre que se fala em descriminalizar a maconha, uma palavra se faz presente nos discursos: liberdade. Os defensores pretendem a liberdade de escolher se fumam ou não. “O corpo é meu e eu tenho o direito de decidir ao que eu exponho ele. Se fizer mesmo mal, a vida é minha, a escolha é minha e quem vai pagar o preço sou eu”, argumenta Jota Mombaça, de 19 anos, artista plástico e usuário de maconha há dois anos. O próprio conceito de liberdade é bastante apelativo, mas isso não é suficiente para convencer quem discorda.

Para o professor João Dantas, não dá para tratar o tema sob essa perspectiva por um motivo: a sociedade brasileira e seu Estado não estariam preparados para lidar com uma possível descriminalização. “Falam que na Holanda é permitido, na Espanha ou em outros países. Mas a comparação não procede porque são realidades muito distintas”, avalia, lembrando que no Brasil o acompanhamento e controle do poder público é deficiente, em comparação com países europeus. Um exemplo: é proibido vender bebidas alcoólicas para menores de 18 anos, todavia quem duvida da facilidade de um adolescente comprar qualquer bebida?

“Independente de ser contra ou a favor, é preciso respeitar as pessoas que defendem o seu ponto de vista. Sou contra proibir uma Marcha como essa. Eu não concordo com a descriminalização, mas se fosse fazer algo a respeito, faria uma marcha pela vida, daria a minha opinião. Assim é a democracia”, encerra o professor João Dantas. A falta de informação, de fato, é uma das mais perigosas “drogas” que existem.

quinta-feira, 29 de julho de 2010

Gírias mais usadas no PX

Acoplamento - Reunião
Água de eloqüência – Cachaça
Ana maria - AM (amplitude modulada)
Ancorado - Parado
Anel - Primo
Anzol - Polícia Rodoviária
Aparato - Rádio
Asa dura - Avião
Atrás do toco - Só na escuta
Bailarina - Caneta
Baixa freqüência - Telefonema
Balaio - Bagunça
Balançar os queixos - Modular
Banda lateral - Rádio com LSB/USB 
Bandeira 2 - Táxi
Banheira - Mar
Barra móvel - Automóvel
Barra náutica - Barco
Basquete - Trabalho
Batom - Mulher
Bicorar - Pedir para falar
Bigode - Homem
Bigode a metro - Pessoalmente
Bigodeira - Interferência
Bobo - Relógio
Botina - Amplificador de potência 
Botina branca - Médico
Botina preta - Policial
Botina vermelha - Bombeiro
Break - Pedir oportunidade para falar
Caixa preta - Rádio transmissor
Câmbio espada - Transmissão muito longa
Canaleta - Canal
Capacete - Sogro
Carga pesada - Caminhão
Carga pesada bonequinha – Ônibus
Carvão - Esposo
Casa de beijo - Bordel ou motel
Centelha – Neto
Chá de urubu - Café
Chucrutar - Aumentar a quantidade de canais de um radio
Chute nas canelas - Saudação cordial
Chuva artificial - Banho
Comer barbante - Esperar
Copiar - Escutar
Corujar - Ficar escutando uma conversa sem modular
Cristal - Esposa
Cristalina - Filha
Cristalóide - Filho
Cristalografia - Família
Curto circuito - Briga
Desligar os filamentos - Desligar o rádio
DX - Contato distante
Esparadrapo - Irmão
Feijão queimado – Amante
Feiticeiro - Técnico de radio
Fio Maravilha - FM
Fundo de poço - Estação com um sinal fraco
Gordurames – Comida
Grega - Viagem
JC - Jesus
Lambari - Estação fraca
Levanta a Saia Baiana – LSB
Loura suada - Cerveja
Macaco preto - Telefone
Macanudo - Colega, Camarada 
Maria mole - Antena móvel mais tradicional da faixa
Modular - Falar, Ação (ex: modular uma loira suada = beber uma cerveja)
Mosca branca – Zona de silêncio
Munheca ou Munheca de pau - Principiante
Munhecada - Errar, Mancada
Okapa - Tudo certo
Orelha – Vizinho
Papai noel - Anatel
Pára-raio - Sogra
Pé de borracha - Carro
Pé de ferro - Trem
Pé de pato - Navio
Pé de sola - A pé
Perneta - Amigo, Colega
Pernetinhas - Filhos, Crianças
Pirambeira – Sair, Desaparecer
Pitimbado – Doente, Quebrado
Portadora – Transmissão sem áudio
Primeiríssima - Mãe
Primeiríssimo - Pai
Px maior - Deus
QTH de descanso ou QTH Sossego- Residência
Recarregar as baterias - Almoçar, Jantar, Comer...
Reco-reco nas costelas – Abraço
Roger - Entendido (usado nos 11 metros como cambio)
Santiago – Sinal
Tapete branco - Papel
Tapete preto - Asfalto
Terezinha de vasconcelos - TV (televisão)
TKS - Thanks - Obrigado
Trapisunga - Aparelhagem
Tudo nos contentos - Tudo bem
Tudo nos descontentos - Tudo mal
Turmalina - Namorada
Tubarão - Estação forte
Unidade Móvel - Veículo
Urubu Sai de Baixo – USB
Vertical - Conversa pessoal
2 metros - Dormir
2 metros horizontais - Cama
51 - Aperto de mão
55 - Felicidades
73 - Abraço 
88 - Beijo