Pular para o conteúdo principal

SEGUIDORES DE CRISTO

O contraste entre o discipulado e a religiosidade.

Enquanto Jesus percorria a terra de Israel, muitas pessoas o a acompanhavam, mas dois tipos se destacaram: os discípulos e os religiosos, seguidores e perseguidores respectivamente. Eles estavam sempre presentes, mas por motivos diferentes. Lendo os evangelhos,
principalmente os de Mateus e Lucas, percebe-se que os escribas,
fariseus e saduceus "seguiam as pisadas do Mestre". Eles são citados
desde a visita dos magos até a crucificação. Eles viram Jesus,
presenciaram milagres, ouviram seus ensinamentos, mas não foram
salvos. Tornaram-se o triste exemplo de pessoas que compareceram aos
momentos mais gloriosos da história, mas perderam a oportunidade de
se tornarem servos do Senhor. Foram testemunhas oculares, porém
inúteis. Acompanharam o Mestre na terra, mas não viverão com ele no
céu.
Notamos a presença ou referência a tais personagens em Mateus 2.4;
3.7; 5.20; 6.2,5,16; 7.29; 9.3; 9.11; 9.14; 9.34; 12.2; 12.10; 12.14;
12.24; 12.38; 15.1-14 ; 16.1-12; 16.21; 19.3-8; 21.15-17; 21.23-32;
21.45-46; 22.15-22; 22.23-36; 22.41-46; 23.1-35; 26.3-5; 26.14;
26.47; 26.57-59; 27.1-2; 27.62; 28.11-13.

OS GRUPOS

No primeiro século da era cristã, o judaísmo estava dividido em
seitas. Havia grupos religiosos e políticos. Alguns atuavam nos dois
setores ao mesmo tempo. As principais facções eram: fariseus
(At.15.5), saduceus (At.5.17), herodianos (Mt.22.16), zelotes
(At.1.13), sicários (At.21.38) e essênios (estes não são citados na
bíblia). Cada grupo se considerava melhor que o outro. Suas
diferenças básicas eram o nível de zelo no cumprimento da lei e a
postura favorável ou contrária ao governo romano. As atitudes
políticas iam desde a aceitação passiva até o nacionalismo
fundamentalista, fomentador de revoltas armadas.

Os escribas não constituíam um grupo religioso. "Escriba" era o
ofício daqueles que copiavam as Escrituras.
A seita dos fariseus era a mais popular, com o maior número de
adeptos. Os saduceus, por sua vez, eram a elite sacerdotal. Os
fariseus eram ortodoxos, rigorosos no cumprimento da lei e contrários
aos romanos. Os saduceus eram mais flexíveis na obediência a Moisés
e apoiavam o Império. O que mais lhes interessava era viver bem,
aproveitando o melhor de ambos os lados: o judaico e o romano.
Esses grupos eram opostos entre si, mas, para surpresa de todos,
demonstraram grande união quando o assunto era perseguir o Senhor
Jesus (Mt.22.15-16).

O PERFIL DOS PERSEGUIDORES

Seria normal que Jesus obtivesse aprovação de uns e reprovação de
outros, como acontece até hoje. Contudo, é impressionante que aqueles
que o reprovavam eram pessoas religiosas, crentes, conhecedoras e
praticantes da lei.

- SUA FÉ – Criam em Deus, mas não em Jesus. Dessa forma, não podiam
ser salvos. Ele mesmo disse: "Credes em Deus. Crede também em mim"
(João 14.1).

- SEU CONHECIMENTO - Aqueles religiosos conheciam muito bem as
Sagradas Escrituras. Isso é ótimo, mas sem o compromisso com Jesus,
o conhecimento se tornava inútil e até prejudicial, pois eles
distorciam a palavra de Deus para diversos fins. Eram profundos
conhecedores da letra. Alguns deles eram copistas do Antigo
Testamento, doutores da lei, mas ignoravam por completo a graça
divina.

- SUA PRÁTICA – Fariseus e saduceus eram praticantes de rituais,
costumes e tradições, mas não estavam dispostos a fazer o que Jesus
mandava. A liturgia, os usos e costumes, tornam-se vazios e sem
valor quando a pessoa não é um discípulo de Cristo. Ocorre então a
oração sem fé e sem resultado; a palavra sem vida e sem autoridade; a
oferta sem generosidade; o agradecimento sem gratidão. Tal é a
religiosidade desprovida de uma viva experiência com Deus, como disse
Jesus: "Este povo honra-me com os lábios, mas o seu coração está
longe de mim" (Mc.7.6).

OS MOTIVOS DA OPOSIÇÃO A CRISTO

Logo que o Senhor Jesus começou o seu ministério, o povo observou que
o seu ensino era melhor que o dos escribas (Mt.7.29). Ele fazia
milagres, curava as pessoas, expulsava os demônios. Nenhum fariseu
ou saduceu era capaz de fazer isso. Eles se sentiram, então,
diminuídos e humilhados. O novo rabi representava, aos seus olhos,
uma ameaça. O prestígio dos líderes religiosos diante do povo
começava a ruir. Estaria surgindo uma nova seita para conquistar
seus rebanhos? O ciúme e a inveja nasceram e cresceram rapidamente.
Suas posições precisavam ser defendidas a todo custo, pensavam.

OS ATAQUES

Os fariseus e saduceus viviam atentos a qualquer movimento novo. Por
isso, compareceram ao batismo de João, quando receberam o título
de "raça de víboras" (Mt.3.7). Depois, passaram a seguir Jesus. Em
alguns momentos, faziam perguntas que poderiam até passar a idéia de
um sincero interesse pela verdade e pelos ensinamentos do Mestre
(Mt.12.10; Mc.12.28; Lc.10.25,29). Contudo, ele não se enganava com
eles, pois conhecia seus pensamentos (Mt.9.4; 12.25).

Houve também questionamentos irônicos e maldosos (Mt.9.11; Mt.15.1-2;
Mt.21.15-16; Mt.21.23; Mt.22.23-28; Mc.2.18,24; Mc.10.2; Mc.11.28;
Mc.12.18-19; Jo.9.40).

Eles tentavam desmoralizar Jesus diante do povo, procurando colocá-lo
em situação difícil, embaraçosa, ou até mesmo fazê-lo transgredir a
lei mosaica (João 8.3-5) ou romana (Mt.22.15-18). Não conseguiram
seu intento.

O ciúme e a inveja geraram a indignação (Mt.21.15) e o ódio (João
15.25). Dos questionamentos, passaram às acusações (Mt.9.3; 12.25) e
às blasfêmias (Mt.12.24). Por último, a conspiração (Mt.12.14; 26.4),
a prisão (Mt.26.57) e a morte do Messias (Mt.27.1-2).

Lendo Mateus, percebemos o aumento da tensão entre Jesus e os
religiosos. No princípio, o Mestre lhes dava pouca atenção. Do
capítulo 21 ao 23, ele passou a atingi-los diretamente com seus
discursos. Algumas parábolas foram dirigidas especificamente aos
fariseus e saduceus, denunciando a falsidade de sua religião
(Mt.21.23 a 22.15). Era chegado o ápice do confronto. A partir de
então, eles não mais o procuraram para fazer perguntas (22.46). O
ataque seguinte seria para matá-lo.

RELIGIOSO OU DISCÍPULO?

Quando Jesus veio, já encontrou a religião judaica em pleno
funcionamento. Logo, sua proposta deveria ir além da religiosidade
vigente, e assim foi. Jesus veio ensinar, não uma religião, mas um
modo de vida em sintonia com o Pai. O sermão da montanha mostra
exatamente esse contraste (Mt.5 a 7), cuja síntese pode ser observada
nas suas palavras aos discípulos em Mt.5.20:

"Se a vossa justiça não exceder à dos escribas e fariseus, de modo
algum entrareis no reino dos céus".

Em todo o sermão, observam-se dois tipos de comportamento, dois
níveis de justiça, dois padrões de vida representados,
principalmente, pela fórmula: "Ouviste o que foi dito aos antigos, eu
porém vos digo...". Os religiosos cumpriam muito do que foi dito
pela lei, e ainda acrescentavam inúmeros costumes e tradições
(Mt.15.1-6). Davam esmola (Mt.6.2) e ofertas (Mt.5.23), oravam
(Mt.6.5), jejuavam (Mt.6.16), etc, mas, ao mesmo tempo, tentavam
ajuntar tesouros na terra (Mt.6.19), servir a dois senhores (Mt.6.24)
e julgar o próximo (Mt.7.1). O religioso fariseu pode acabar se
tornando falso profeta (Mt.7.15), sendo também representado nas
palavras de Jesus como a árvore que dá mau fruto (Mt.7.17) e a casa
construída sobre a areia, cujo fim será a ruína (Mt.7.26).

Jesus veio ensinar o modo de vida do discípulo, que deve ser
caracterizado pelas bem-aventuranças (Mt.5) e um tratamento profundo
contra as raízes do pecado que se ocultam no olhar (Mt.5.28), no
sentimento (Mt.5.22), nas intenções (Mt.5.28) e nas palavras
(Mt.5.22). A vida que Cristo propõe é dirigida pelo Espírito, não se
tratando apenas de um conjunto de práticas aprendidas através da
letra.

O discípulo também dá esmolas e ofertas, jejua e faz orações, mas os
seus motivos são diferentes do religioso (Mt.6.2,5,16). Tudo que o
fariseu faz tem como alvo o público. Não que ele queira abençoar
alguém, mas apenas impressionar, de modo que sua imagem pessoal seja
promovida. É o culto horizontal, do homem para o homem (Mt.6.1,2,
5,16).

O verdadeiro discípulo tem a única intenção de agradar ao Pai
(Mt.6.1,4,6,8,9,14,15,18). Por isso, muitas de suas ações serão
discretas ou até secretas (Mt.6.3,4,6,18), esperando que só o Pai
veja e fique satisfeito.

A PERSEGUIÇÃO CONTINUA

Poderíamos imaginar que, com a morte de Jesus, fosse encerrado o
conflito com os religiosos, mas isso não aconteceu. O livro de Atos
mostra o ferrenho combate dos líderes religiosos contra a igreja
primitiva. Depois de matarem o Senhor Jesus, começaram a matar os
apóstolos. Sacerdotes e fariseus continuavam coligados nessa luta
interminável.

O Mestre já havia predito:

"Eles vos entregarão aos sinédrios, e vos açoitarão nas suas
sinagogas... Se chamaram Belzebu o dono da casa, quanto mais aos seus
domésticos?" (Mt.10.17,25).

"Se a mim me perseguiram, também vos perseguirão a vós" (João 15.20).
"E até pelos pais, e irmãos, e parentes, e amigos sereis entregues; e
matarão alguns de vós" (Lc.21.16).

"Ainda mais, vem a hora em que qualquer que vos matar julgará prestar
um serviço a Deus" (João 16.2).

Não é de se estranhar, portanto, que até hoje os verdadeiros servos
de Jesus sejam combatidos por pessoas religiosas que afirmam crer e
servir ao mesmo Deus que nós.

E NÓS, QUEM SOMOS?

Além de tudo o que foi dito, o mais importante é que cada um examine
a si mesmo para ver se tem sido um discípulo ou religioso.
A falsa religiosidade é o lugar comum para onde todos correm o risco
de se dirigirem pela simples inércia, pelo descuido com a santidade e
pelo relaxamento na busca ao Senhor. Quando menos esperamos, já
estamos vivendo o mero cumprimento de obrigações e costumes, vivendo
um cristianismo mecânico, onde há movimento, mas não existe vida.
Alguns tornam-se até perseguidores dos irmãos. Precisamos tomar
cuidado para não criarmos concorrências e combates por motivos
doutrinários, comerciais ou políticos, como acontecia no ambiente
judaico do primeiro século.

Particularmente nós, estudantes e professores de teologia, precisamos
estar atentos a fim de não nos tornarmos os escribas da atualidade,
profissionais da fé, cheios do conhecimento, mas sem o compromisso do
discípulo que conhece o Mestre, aprende com ele e vive para ele.

O Sermão da Montanha continua sendo um excelente conjunto de
parâmetros para a auto-análise nesse sentido.

ESPERANÇA DE TRANSFORMAÇÃO

Jesus ama os religiosos, embora tenha sido duro com eles. A maioria
não se converteu, mas alguns sim (At.15.5), dentre os quais temos
dois exemplos muito positivos:

- Nicodemos era um fariseu, um mestre da lei, que foi procurar Jesus
secretamente (João 3.1; 7.50; 19.39). Cristo o recebeu de braços
abertos, como faz, ainda hoje, com todo aquele que deseja deixar de
ser um mero religioso para se tornar um verdadeiro servo do Senhor.

- Saulo de Tarso também era fariseu (At.23.6; Fp.3.5) e um dos
maiores perseguidores da igreja primitiva. Encontrou-se com Jesus
após a ressurreição no caminho de Damasco e ouviu sua voz que
dizia: "Saulo, Saulo, por quê me persegues"? (At.9.4). Naquele dia, o
perseguidor caiu por terra e converteu-se, tornando-se o grande
apóstolo Paulo.

O Senhor deseja que nos lancemos aos seus pés, deixando de ser
seguidores sem compromisso. Não podemos admitir um cristianismo
farisaico, sem vida, sem poder, sem santidade, consistindo apenas no
cumprimento de rituais e tradições humanas. Que o Senhor tenha
misericórdia de nós e nos ajude a sermos discípulos fiéis. Que, como
Paulo, sejamos usados com grande poder para a glória de Deus.

Anísio Renato de Andrade

Bacharel em Teologia

www.geocities.com/anisiorenato

Postagens mais visitadas deste blog

Canções para TFM

DEMÔNIOS CAMUFLADOS DEMÔNIOS CAMUFLADOS VÃO SAIR DA ESCURIDÃO,
SENTINELA ENSANGUENTADO VAI ROLANDO PELO CHÃO,
E PERGUNTEM DE ONDE VENHO, VENHO DA ESCURIDÃO,
TRAGO A MORTE, O DESESPERO E A TOTAL DESTRUIÇÃO.
ARMADILHAS CAMUFLADAS, ACIONADORES DE TRAÇÃO,
QUEM VIER ATRAS DE MIM SÓ VAI OUVIR A EXPLOSÃO(CABUM)
SANGUE FRIO EM MINHAS VEIAS CONGELOU MEU CORAÇÃO
NÓS GOSTAMOS DE EXPLOSIVOS NOSSO LEMA É VIBRAÇÃO.
QUEM ÉS TU? QUEM ÉS TU?
QUE DESCE DO CÉU!
COM ASAS DE PRATA POR SOBE O BRASIL!
GUERREIRO ALADO, QUE NÃO SENTE DOR!
PARAQUEDISTA, COMANF, MERGULHADOR!
A SUA MISSÃO É DESTRUIR
A TROPA INIMIGA QUE TENTA INVADIR

CORRIDINHA MIXURUCA CORRIDINHA MIXURUCA,
QUE NÃO DÁ NEM PARA CANÇAR.
NESSE PASSO, NESSE PASSO,
VOLTA AO MUNDO EU VOU DAR.
NESSE PASSO, NESSE PASSO
TODOS JUNTOS VÃO CHEGAR.
E SE ALGUÉM NÃO AGUENTAR,
EU VOU TER QUE ARRASTAR.
E SE O ARRASTO ME MATAR, PODES CRER TU VAI FICA
VAI FICAR NA MÃO DE OUTRO – ATÉ EU ME RECUPERAR.
POIS NESSE PASSO, NESSE PASSO,
MESMO MORTO VOU TE BUSCAR.




SALTITANDO, SALTI…

Canções Militares para o TFM.

Essas canções são usadas durante o Treinamento Físico Militar nas Forças Armadas, das Polícias Militares e Corpos de Bombeiros Militares.
Demônios Camuflados Demônios camuflados vão sair da escuridão,
sentinela ensanguentado vai rolando pelo chão,
e perguntem de onde venho, venho da escuridão,
trago a morte, o desespero e a total destruição.
Armadilhas camufladas, acionadores de tração,
Quem vier atras de mim só vai ouvir a explosão(Cabum)
Sangue frio em minhas veias congelou meu coração
Nós gostamos de explosivos nosso lema é vibração.
Quem és Tu? Quem és tu?
Que desce do céu!
Com asas de prata por sobe o Brasil!
Guerreiro alado, que não sente dor!
Paraquedista, Comanf, Mergulhador!
A sua missão é destruir
A tropa inimiga que tenta invadir

Corridinha Mixuruca Corridinha mixuruca,
que não dá nem para cançar.
Nesse passo, nesse passo,
Volta ao mundo eu vou dar.
Nesse passo, nesse passo
Todos juntos vão chegar.
E se alguém não aguentar,
Eu vou ter que arrastar.
E se o arrasto me matar, podes c…

Termodinâmica

Termodinâmica