Pular para o conteúdo principal

41 - Estudo Analítico da Reta





41 - Estudo Analítico da Reta

Retas
Geometria analítica: retas

Introdução

Entre os pontos de uma reta e os números reais existe uma correspondência biunívoca, isto é, a cada ponto de reta corresponde um único número real e vice-versa.
Considerando uma reta horizontal x, orientada da esquerda para direita (eixo), e determinando um pontoO dessa reta ( origem) e um segmento u, unitário e não-nulo, temos que dois números inteiros e consecutivos determinam sempre nesse eixo um segmento de reta de comprimento u:


Medida algébrica de um segmento 

Fazendo corresponder a dois pontos, A e B, do eixo x os números reais xA e xB , temos:





A medida algébrica de um segmento orientado é o número real que corresponde à diferença entre as abscissas da extremidade e da origem desse segmento.






Plano cartesiano


A geometria analítica teve como principal idealizador o filósofo francês René Descartes ( 1596-1650). Com o auxílio de um sistema de eixos associados a um plano, ele faz corresponder a cada ponto do plano um par ordenado e vice-versa.


Quando os eixos desse sistemas são perpendiculares na origem, essa correspondência determina um sistema cartesiano ortogonal ( ou plano cartesiano). Assim, há uma reciprocidade entre o estudo da geometria ( ponto, reta, circunferência) e da Álgebra ( relações, equações etc.), podendo-se representar graficamente relações algébricas e expressar algebricamente representações gráficas.


Observe o plano cartesiano nos quadros quadrantes:






Exemplos:
A(2, 4) pertence ao 1º quadrante (xA > 0 e yA > 0)
B(-3, -5) pertence ao 3º quadrante ( xB < 0 e yB < 0)


Observação: Por convenção, os pontos localizados sobre os eixos não estão em nenhum quadrante.






Distância entre dois pontos


Dados os pontos A(xA, yA) e B(xB, yB) e sendo dAB a distância entre eles, temos:








Aplicando o teorema de Pitágoras ao triângulo retângulo ABC, vem:




Como exemplo, vamos determinar a distância entre os pontos A(1, -1) e B(4, -5):
























Retas


Razão de secção


Dados os pontos A(xA, yA), B(xB, yB), C(xC, yC) de uma mesma reta , o ponto C divide numa determinada razão, denominada razão de secção e indicada por:










em que , pois se , então A = B.


Observe a representação a seguir:




Como o , podemos escrever:




Vejamos alguns exemplos:




Considerando os pontos A(2, 3), B(5, 6) e P(3, 4), a razão em que o ponto P divide é:












Se calculássemos rp usando as ordenadas dos pontos, obteríamos o mesmo resultado:






Para os pontos A(2, 3), B(5, 6) e P(1, 2), temos:












Assim, para um ponto P qualquer em relação a um segmento orientado contido em um eixo, temos:




se P é interior a , então rp > 0 




se P é exterior a , então rp < 0




se P = A, então rp =0




se P = B, então não existe rp (PB = 0)




se P é o ponto médio de , então rp =1








Retas


Ponto médio


Dados os pontos A(xA, yA), B(xB, yB) e P, que divide ao meio, temos:












Assim:






Logo, as coordenadas do ponto médio são dadas por:




Baricentro de um triângulo


Observe o triângulo da figura a seguir, em que M, N e P são os pontos médios dos lados , respectivamente. Portanto, são as medianas desse triângulo:




Chamamos de baricentro (G) o ponto de intersecção das medianas de um triângulo.


Esse ponto divide a mediana relativa a um lado em duas partes: a que vai do vértice até o baricentro tem o dobro da mediana da que vai do baricentro até o ponto médio do lado.


Veja:














Cálculo das coordenadas do baricentro


Sendo A(XA, YA), B(XB, YB) e C(XC, YC) vértices de um triângulo, se N é ponto médio de , temos:












Mas:




Analogamente, determinamos . Assim:
















Retas


Condições de alinhamento de três pontos


Se três pontos, A(xA, yA), B(xB, yB) e C(xC, yC), estão alinhados, então:




Para demonstrar esse teorema podemos considerar três casos:


a) três pontos alinhados horizontalmente




Neste caso, as ordenadas são iguais:


yA = yB = yC


e o determinante é nulo, pois a 2ª e a 3ª coluna são proporcionais.


b) três pontos alinhados verticalmente




Neste caso, as abscissas são iguais:


xA = xB = xC


e o determinante é nulo, pois a 1ª e a 3ª coluna são proporcionais.


c) três pontos numa reta não-paralela aos eixos




Pela figura, verificamos que os triângulos ABD e BCE são semelhantes. Então:




Desenvolvendo, vem:




Como:




então .


Observação: A recíproca da afirmação demonstrada é válida, ou seja, se , então os pontos A(xA,yA), B(xB,yB) e C(xC, yC) estão alinhados.














Retas


Equações de uma reta


Equação geral


Podemos estabelecer a equação geral de uma reta a partir da condição de alinhamento de três pontos.


Dada uma reta r, sendo A(xA, yA) e B(xB, yB) pontos conhecidos e distintos de r e P(x,y) um ponto genérico, também de r, estando A, B e P alinhados, podemos escrever:




Fazendo yA - yB = a, xB - xA = b e xAyB - xByA=c, como a e b não são simultaneamente nulos , temos:






ax + by + c = 0




(equação geral da reta r)


Essa equação relaciona x e y para qualquer ponto P genérico da reta. Assim, dado o ponto P(m, n):




se am + bn + c = 0, P é o ponto da reta;




se am + bn + c 0, P não é ponto da reta.


Acompanhe os exemplos:




Vamos considerar a equação geral da reta r que passa por A(1, 3) e B(2, 4).


Considerando um ponto P(x, y) da reta, temos:






Vamos verificar se os pontos P(-3, -1) e Q(1, 2) pertencem à reta r do exemplo anterior. Substituindo as coordenadas de P em x - y + 2 = 0, temos:


-3 - (-1) + 2 = 0 -3 + 1 + 2 = 0


Como a igualdade é verdadeira, então P r.


Substituindo as coordenadas de Q em x - y + 2 = 0, obtemos:


1 - 2 + 2 0


Como a igualdade não é verdadeira, então Q r.






Equação segmentária


Considere a reta r não paralela a nenhum dos eixos e que intercepta os eixos nos pontos P(p, 0) e Q(0, q), com :




A equação geral de r é dada por:




Dividindo essa equação por pq , temos:




Como exemplo, vamos determinar a equação segmentária da reta que passa por P(3, 0) e Q(0, 2), conforme o gráfico:
























Retas




Equações paramétricas




São equações equivalentes à equação geral da reta, da forma x= f(t) e y= g(t), que relacionam as coordenadas x e y dos pontos da reta com um parâmetro t.




Assim, por exemplo, , são equações paramétricas de uma reta r.




Para obter a equação geral dessa reta a partir das paramétricas, basta eliminar o parâmetro t das duas equações:




x = t + 2 t = x -2




Substituindo esse valor em y = - t + 1, temos:




y = -(x - 2) + 1 = -x + 3 x + y - 3 = 0 ( equação geral de r)












Equação Reduzida




Considere uma reta r não-paralela ao eixo Oy: 












Isolando y na equação geral ax + by + c = 0, temos:




Fazendo , vem:


y = mx + q




Chamada equação reduzida da reta, em que fornece a inclinação da reta em relação ao eixoOx.


Quando a reta for paralela ao eixo Oy, não existe a equação na forma reduzida.




















Retas


Coeficiente angular


Chamamos de coeficiente angular da reta r o número real m tal que:




O ângulo é orientado no sentido anti-horário e obtido a partir do semi-eixo positivo Ox até a reta r. Desse modo, temos sempre .


Assim:




para ( a tangente é positiva no 1º quadrante)




para ( a tangente é negativa no 2º quadrante)


Exemplos:














Determinação do coeficiente angular


Vamos considerar três casos:


a) o ângulo é conhecido










b) as coordenadas de dois pontos distintos da reta são conhecidas: A(xA, yA) e B(xB, yB)








Como ( ângulos correspondentes) temos que .


Mas, m = tg Então:




Assim, o coeficiente angular da reta que passa, por exemplo, por A(2, -3) e B(-2, 5) é:




c) a equação geral da reta é conhecida


Se uma reta passa por dois pontos distintos A(XA, YA) e B(XB, YB), temos:




Aplicando o Teorema de Laplace na 1ª linha, vem:


(YA - YB)x + (XB - XA)y + XAYA - XBYB = 0


Da equação geral da reta, temos:




Substituindo esses valores em , temos:


































Retas


Equação de uma reta r, conhecidos o coeficiente angular e um ponto de r


Seja r uma reta de coeficiente angular m. Sendo P(X0, Y0), P r, e Q(x,y) um ponto qualquer de r(QP), podemos escrever:




Como exemplo, vamos determinar a equação geral da reta r que passa por P(1, 2), sendo m=3. Assim, temos X0=1 e Y0=2. Logo:


y-y0=m(x-x0)=y-2 = 3(x - 1) = y-2 = 3x - 3 = 3x - y - 1 = 0


que é a equação geral de r.






Representação gráfica de retas


Para representar graficamente as retas de equação ax + by + c = 0 ( b0), isolamos a variável y e atribuímos valores a x, obtendo pares ordenados que são pontos da reta.


Assim, é mais conveniente usar a equação na forma reduzida, já que ela apresenta o y isolado.






Coordenadas do ponto de intersecção de retas


A intersecção das retas r e s, quando existir, é o ponto P(x, y), comum a elas, que é a solução do sistema formado pelas equações das duas retas.


Vamos determinar o ponto de intersecção, por exemplo, das retas r: 2x +y - 4 =0 e s: x -y +1=0. Montando o sistema e resolvendo-o, temos:




Substituindo esse valor em x -y = -1, temos:


1 - y = -1


y = 2


Logo, P(1, 2) é o ponto de intersecção das retas r e s.


Graficamente, temos:




Posições relativas entre retas


Paralelismo


Duas retas, r e s, distintas e não-verticais, são paralelas se, e somente se, tiverem coeficientes angulares iguais.
















Retas


Concorrência


Dadas as retas r: a1x +b1y + c1 = 0 e s: a2x + b2y + c2 = 0, elas serão concorrentes se tiverem coeficientes angulares diferentes:




Como exemplo, vamos ver se as retas r: 3x - 2y + 1 = 0 e s: 6x + 4y + 3 = 0 são concorrentes: 




Perpendicularismo


Se r e s são duas retas não-verticais, então r é perpendicular a s se, e somente se, o produto de seus coeficientes angulares for igual a -1. Lê-se . Acompanhe o desenho:




Ângulo entre duas retas


Sendo r e s duas retas não-verticais e não-perpendiculares entre si, pelo teorema do ângulo externo , temos:










Dependendo da posição das duas retas no plano, o ângulo pode ser agudo ou obtuso. Logo:




Essa relação nos fornece o ângulo agudo entre r e s, pois . O ângulo obtuso será o suplemento de .






Distância entre ponto e reta


Dados um ponto P(x1, y1) e uma reta r:ax + by + c = 0, a distância entre eles (dpr)é dada por:








Vamos calcular a distância, por exemplo, do ponto P(-1,2) à reta r: x - 2y + 1 = 0.


Temos P(-1, 2) = P(x1, y1), a = 1, b= - 2 e c=1. Assim:




Bissetrizes


Dadas as retas concorrentes r: a1x + b1y + c1 = 0 e s: a2x + b2y + c2 = 0, o que se interceptam em um ponto Q, se P(x, y) é um ponto qualquer de uma das bissetrizes, PQ, então P equidista de r e s:










Considerando o sinal positivo, obtemos uma bissetriz; considerando o sinal negativo, obtemos a outra.


Vejamos um exemplo:


Se r: 3x + 2y - 7 = 0 e s: 2x - 3y + 1 = 0, então suas bissetrizes são:


































http://www.somatematica.com.br/emedio/retas/retas.php

Postagens mais visitadas deste blog

Canções para TFM

DEMÔNIOS CAMUFLADOS DEMÔNIOS CAMUFLADOS VÃO SAIR DA ESCURIDÃO,
SENTINELA ENSANGUENTADO VAI ROLANDO PELO CHÃO,
E PERGUNTEM DE ONDE VENHO, VENHO DA ESCURIDÃO,
TRAGO A MORTE, O DESESPERO E A TOTAL DESTRUIÇÃO.
ARMADILHAS CAMUFLADAS, ACIONADORES DE TRAÇÃO,
QUEM VIER ATRAS DE MIM SÓ VAI OUVIR A EXPLOSÃO(CABUM)
SANGUE FRIO EM MINHAS VEIAS CONGELOU MEU CORAÇÃO
NÓS GOSTAMOS DE EXPLOSIVOS NOSSO LEMA É VIBRAÇÃO.
QUEM ÉS TU? QUEM ÉS TU?
QUE DESCE DO CÉU!
COM ASAS DE PRATA POR SOBE O BRASIL!
GUERREIRO ALADO, QUE NÃO SENTE DOR!
PARAQUEDISTA, COMANF, MERGULHADOR!
A SUA MISSÃO É DESTRUIR
A TROPA INIMIGA QUE TENTA INVADIR

CORRIDINHA MIXURUCA CORRIDINHA MIXURUCA,
QUE NÃO DÁ NEM PARA CANÇAR.
NESSE PASSO, NESSE PASSO,
VOLTA AO MUNDO EU VOU DAR.
NESSE PASSO, NESSE PASSO
TODOS JUNTOS VÃO CHEGAR.
E SE ALGUÉM NÃO AGUENTAR,
EU VOU TER QUE ARRASTAR.
E SE O ARRASTO ME MATAR, PODES CRER TU VAI FICA
VAI FICAR NA MÃO DE OUTRO – ATÉ EU ME RECUPERAR.
POIS NESSE PASSO, NESSE PASSO,
MESMO MORTO VOU TE BUSCAR.




SALTITANDO, SALTI…

Canções Militares para o TFM.

Essas canções são usadas durante o Treinamento Físico Militar nas Forças Armadas, das Polícias Militares e Corpos de Bombeiros Militares.
Demônios Camuflados Demônios camuflados vão sair da escuridão,
sentinela ensanguentado vai rolando pelo chão,
e perguntem de onde venho, venho da escuridão,
trago a morte, o desespero e a total destruição.
Armadilhas camufladas, acionadores de tração,
Quem vier atras de mim só vai ouvir a explosão(Cabum)
Sangue frio em minhas veias congelou meu coração
Nós gostamos de explosivos nosso lema é vibração.
Quem és Tu? Quem és tu?
Que desce do céu!
Com asas de prata por sobe o Brasil!
Guerreiro alado, que não sente dor!
Paraquedista, Comanf, Mergulhador!
A sua missão é destruir
A tropa inimiga que tenta invadir

Corridinha Mixuruca Corridinha mixuruca,
que não dá nem para cançar.
Nesse passo, nesse passo,
Volta ao mundo eu vou dar.
Nesse passo, nesse passo
Todos juntos vão chegar.
E se alguém não aguentar,
Eu vou ter que arrastar.
E se o arrasto me matar, podes c…

Termodinâmica

Termodinâmica